Ranolfo Vieira Júnior participa de entrega de equipamentos para BM do Rio Grande do Sul

Agência Trabalhista de Notícias 1/10/2019, 11:24


Imagem Crédito: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

Vinte e quatro caminhonetes, dois micro-ônibus e 155 armas, entre fuzis, espingardas e não letais de descarga elétrica, foram entregues na segunda-feira (30) pelo governo do Rio Grande do Sul à Brigada Militar. Com custo total superior a R$ 5 milhões, o investimento servirá para reforçar os efetivos de diversas regiões e para a criação dos novos Batalhões de Choque anunciados pelo programa RS Seguro nos municípios de Pelotas e Caxias do Sul.

Os armamentos (no valor de R$ 833 mil) e uma das Hilux (R$ 139,6 mil) foram adquiridos com recursos da Consulta Popular 2018/2019 e as outras 23 caminhonetes (R$ 3,2 milhões) do Fundo Especial da Segurança Pública (Fesp) e do Detran. Os micro-ônibus, que irão para Santa Maria e Gramado, foram doados pela Secretaria Nacional da Segurança Pública (Senasp), e estão estimados em cerca de R$ 1 milhão.

“Não se trata de simples entrega de viaturas ou de armamento. Isso o Estado assistiu historicamente acontecendo em diversos governos. A diferença, agora, é que existe estratégia de segurança pública, em um programa estruturado (RS Seguro), que vê a segurança pública em quatro frentes, a do combate à criminalidade, a da prevenção, a da melhoria do atendimento ao cidadão e a do sistema penitenciário”, destacou o governador Eduardo Leite após a cerimônia, no hall do Palácio Piratini.

Os resultados desse programa transversal e estruturante de governo já estão sendo percebidos na queda nos indicadores criminais do Rio Grande do Sul – entre os quais o de homicídio, que caiu cerca de 27% em relação ao mesmo período do ano passado. “Talvez as pessoas não tenham a dimensão falando em percentuais, mas foram 450 vidas poupadas. Pode ser a de um parente, de um amigo ou a sua própria vida”, ponderou o governador.

Vice-governador e secretário de Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior (PTB) destacou que, embora os números estatísticos sejam positivos, a população precisa de mais para realmente se sentir mais segura. “A sensação de segurança se traduz em policial e viatura na rua, e é isso que nós estamos fazendo aqui hoje”, afirmou Ranolfo.

Nesse sentido, além das entregas de viaturas e armamentos, o governo tem se esforçado, apesar da grave crise fiscal, para chamar novos servidores para compor as forças policiais, entre policiais militares e civis, bombeiros e agentes penitenciários. Além disso, a estratégia do Estado prevê a divulgação de um cronograma de futuros chamamentos de concursados da segurança pública nos próximos dias. O objetivo é a reposição gradual dos quadros e processo de formação mais qualificado.

Com informações da Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul (SSP/RS)