Regina Maura se diz melhor opção ao Profamília e tem a candidatura aceita

PTB Notícias 6/08/2012, 8:10


Candidata governista à Prefeitura de São Caetano (SP), Regina Maura Zetone (PTB) participou no último sábado (04/08) da missa na Paróquia São Caetano (SP), no bairro Fundação, e reforçou o discurso de continuidade, afirmando ser a melhor opção para levar o Profamília adiante.

“A elaboração e o planejamento foram feitos pelo nosso grupo e não foi simples de realizar.

Acredito que a sequência disso é a minha candidatura, já que fiz parte disto desde o início.

” Segundo a prefeiturável, o programa é essencial para ajudar a situação socioeconômica de muitas famílias, principalmente as que sofrem com desagregação.

O Profamília ajuda com o que mais falta em casa e dá a oportunidade de focar em outras coisas de conforto que são importantes”, afirmou.

A pleiteante ao Executivo disse que todas as pessoas merecem ter conforto e que isso não significa desejar luxo.

“Quem tem o banheiro fora de casa, por exemplo, tem um incômodo muito grande com a exposição da intimidade.

Não é ruim querer algo melhor.

” Questionada sobre a acusação dos candidatos da oposição o Paulo Pinheiro (PMDB) e Fernando Turco (Psol) sobre o governo de José Auricchio Júnior (representado pela candidata da situação) fazer campanha eleitoral difamatória, dizendo que os benefícios da população podem acabar em caso de derrota do PTB, Regina garantiu que a administração não recorreu a essa tática.

“Não me compete dizer se vai acabar ou não.

Sei que eu vou continuar e conseguir aprimorar fazendo o controle adequado do orçamento para manter esse programa sem nenhum tipo de mudança de prioridades.

” CANDIDATURA ACEITA A Justiça Eleitoral negou, no sábado, o pedido de impugnação contra Regina, movido por Éder Xavier (PCdoB), candidato a vereador que apoia Paulo Pinheiro.

A candidata ao Paço não se impressionou com o resultado.

“Isso era natural.

O motivo da impugnação era totalmente inconsistente.

” Segundo a prefeiturável, o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) já tinha soltado a lista de quem era ficha suja e ela não estava entre os nomes.

“Não devo nem a conta da quitanda.

Talvez eu tenha a ficha mais limpa da cidade.

Eu não estava nem me importando com isso porque eu sabia qual seria o resultado.

” O pedido foi baseado na Lei da Ficha Limpa por contratos rejeitados no TCE (Tribunal de Contas do Estado) à época em que ela comandou a diretoria de Saúde.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do Portal Diário do Grande ABC