Reizo cobra fiscalização na realização do teste da linguinha em Manaus

PTB Notícias 17/06/2014, 7:49


O vereador Reizo Castelo Branco (PTB), autor da Lei 071/2013, sancionada pelo prefeito de Manaus (AM), Arthur Virgílio (PSDB), em outubro de 2013, que obriga a realização do “teste da linguinha” nos recém-nascidos e bebês de até dois anos de idade, cobra mais rigor da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) na fiscalização em maternidades e serviços hospitalares da rede pública municipal e conveniados do Sistema Único de Saúde (SUS) na capital amazonense.

Este tipo de teste visa corrigir o “frênulo lingual”, que muitos conhecem como “língua presa”, que é uma película localizada abaixo da língua que, por ser mais curta, dificulta a sucção, mastigação, deglutição, amamentação e muitas vezes causa alteração da articulação de alguns sons da fala.

Além disso, contribui para que o bebê fique extremamente cansado por não conseguir sugar o leite da forma correta o que torna inevitável o desmame precoce e perda de peso.

Por meio do “teste da linguinha” no hospital será proporcionado um tratamento para estimular a sucção e a deglutição durante a amamentação, bem como prevenir problemas de mastigação e da fala.

As famílias dos recém-nascidos e dos bebês receberão, nas altas médicas, relatório dos exames e dos procedimentos realizados, contendo esclarecimentos e orientação quanto à conduta a ser adotada.

“A lei é de extrema importância na vida do recém-nascido por contribuir, ainda nos primeiros dias, para que eles consigam se alimentar de forma correta sem que este tipo de situação venha acarretar algum dano à saúde posteriormente.

Ao realizar o teste da linguinha na maternidade estamos garantindo as crianças, e suas famílias, que não ocorrerão problemas como o desmame precoce ou comprometimento na fala.

Por isso estou cobrando a fiscalização para que as mães tenham acesso a esse tipo de teste”, disse o vereador.

Teste O “teste da linguinha” foi idealizado pela fonoaudióloga brotense Roberta Lopes de Castro Martinelli e ganhou projeção mundial pelos benefícios proporcionados.

Martinelli ressalta que o problema atinge um a cada cinco bebês no país e a cirurgia para correção é simples sem a necessidade de ponto ou anestesia geral.

Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações da assessoria do vereador Reizo Castelo Branco (PTB-AM) Foto: Divulgação