Relatório de Cafeteira vai ser votado nesta sexta-feira pelo Conselho

PTB Notícias 15/06/2007, 8:06


O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado volta a se reunir nesta sexta-feira (15), às 10h, para votação do relatório que sugere o arquivamento da representação do PSOL contra o senador Renan Calheiros, presidente do Senado, por suposta quebra de decoro parlamentar.

O relatório, de autoria do senador Epitácio Cafeteira, do PTB do Maranhão, foi apresentado na última quarta (13) ao conselho.

Após discussão da matéria pelos parlamentares, o presidente do colegiado, senador Sibá Machado (PT-AC), concedeu vista coletiva do relatório por 48 horas.

Em entrevista à imprensa, Cafeteira disse estar com a consciência tranqüila em relação à analise da representação, encaminhada pelo PSOL em razão de denúncias publicadas pela revista Veja.

Segundo a publicação, Renan teria as despesas pessoais pagas por um funcionário da empreiteira Mendes Júnior, Cláudio Gontijo, que seria o responsável pelo pagamento de aluguel e pensão alimentícia à jornalista Mônica Veloso, com quem Renan tem uma filha de três anos.

– Examinando todos os documentos da denúncia, em nenhum encontrei consistência.

É tudo naquela base da dedução.

Acho que o senador, o vereador e qualquer homem público têm o mesmo direito do cidadão, ou seja, se não houver prova em contrário, ele é inocente – afirmou o senador petebista.

Cafeteira também disse não temer a apresentação de voto em separado, ou até mesmo a apelação ao Supremo Tribunal Federal pela oposição, caso a representação seja arquivada pelo Conselho de Ética.

Ele afirmou que o tribunal “não aceita notícias de jornal como prova”.

– Vão recorrer a quem? Em um assunto desse, de tamanha magnitude, onde está se discutindo a honra do presidente do Congresso Nacional e do Senado Federal, não deve haver oposição nem governo.

Deve haver justiça.

O papel do conselho não é condenar nem absolver.

É julgar.

E foi o que eu fiz – disse Epitácio Cafeteira.

O senador disse concordar com a realização de perícia na documentação encaminhada ao Conselho de Ética, mas fez questão de ressaltar que faltam provas contra Renan e que não há necessidade da tomada de depoimento de Cláudio Gontijo e de Mônica Veloso pelo órgão.

– Acho que deve periciar.

Se estão faltando provas é porque não existem provas e ele [Renan] é inocente.

Quem vou ouvir ? O Gontijo já foi ouvido pela Corregedoria.

E a Mônica diz o que o Renan diz.

Não há controvérsias – assegurou.

Cafeteira também acha desnecessário a tomada de depoimento dos responsáveis pela publicação da denúncia, mas apontou que “há muito interesse em que esse drama continue, fazendo sangrar o Senado”, embora o próprio Renan Calheiros tenha demonstrado que retirou dinheiro do banco para quitar as despesas a que se refere a matéria de Veja.

– Essa Casa não merece isso.

O ônus da prova é do acusador.

Acho que não precisa ouvir a revista.

Se ele [Renan] quiser processar, que processe.

A mim não competia isso, mas apenas julgar.

A imprensa cria dificuldades, levanta suspeitas.

Isso é ruim para qualquer um que exerça a vida pública – avaliou.

Ao ser indagado se o voto pelo arquivamento da representação poderá comprometer a credibilidade de que goza junto ao eleitorado do Maranhão, Cafeteira mais uma vez disse estar com a consciência tranqüila e que não teme modificações no relatório.

– Não estou nem de um lado nem de outro.

Estou do lado da Casa e da verdade.

Se quiser mudar, que mude.

Eu cumpri o meu dever.

Meu estado confia em mim.

Tanto que me mandou para cá.

Fui quatro vezes deputado federal, prefeito da capital, governador e senador duas vezes.

Não perco credibilidade.

Aqui na Casa, recebi congratulações até dos que vão apresentar voto em separado – afirmou o senador do PTB do Maranhão.

fonte: Agência Senado