RJ: Marcus Vinícius pede estudo para destinação de mamógrafos a municípios

PTB Notícias 2/07/2015, 16:54


A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou, na segunda-feira (29/6/2015), a doação de R$ 3 milhões para a compra de 40 mamógrafos pela Secretaria de Estado de Saúde.

A medida foi tomada após o recebimento de denúncias vindas de moradoras da Baixada Fluminense e da Zona Oeste.

Como 3º vice-presidente da Alerj, o deputado Marcus Vinícius (PTB) pediu que os equipamentos não ficassem apenas nas regiões citadas.

“Solicitei que através da Comissão de Saúde e das deputadas da Casa seja estudada a necessidade também de outras regiões.

Se na Baixada e na Zona Oeste não há condições de atender a todas as mulheres, imagine alguém que tem que sair de Aperibé ou Paraty, por exemplo, para vir ao Rio.

Petrópolis, Três Rios, Sapucaia e tantos outras cidades também precisam.

A mamografia é um exame de extrema importância para a prevenção do câncer e é direito da mulher”, destacou.

O presidente da Casa, deputado Jorge Picciani (PMDB), apoiou o pedido do parlamentar trabalhista.

“A emenda do deputado Marcus Vinícius guarda coerência porque há muita necessidade na Baixada e na Zona Oeste, mas certamente é também preciso em muitas cidades pequenas do interior.

Então, vai nesse sentido, um sentido muito mais de abrangência do que de restrição.

Sem prejuízo porque poderemos voltar ao tema e doar outros dez, por exemplo, caso seja necessário”, pontuou.

Marcus Vinícius ressalta que a Assembleia Legislativa tem feito grande esforço para racionalizar os gastos na Alerj, que já tiveram uma redução de cerca de R$ 110 milhões no primeiro semestre.

“Todo nosso esforço de reduzir custos reflete em melhorias e parcerias que atendem a população e o funcionamento da própria Casa.

Nós da Mesa Diretora tomamos iniciativas que prezam pela transparência e austeridade e o resultado disso é sempre positivo”, frisou.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de mama é o segundo tipo mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano.

Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é relativamente bom.

No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estádios avançados.

Na população mundial, a sobrevida média após cinco anos é de 61%.

Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta faixa etária sua incidência cresce rápida e progressivamente.

Estatísticas indicam aumento de sua incidência tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nas décadas de 60 e 70 registrou-se um aumento de dez vezes nas taxas de incidência ajustadas por idade nos Registros de Câncer de Base Populacional de diversos continentes.

DoaçõesEsta será a terceira doação realizada neste ano pela Alerj com recursos economizados de seu orçamento próprio.

Antes, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) já havia recebido um cheque de R$ 19 milhões, e o Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), de R$ 9,8 milhões, para a compra de 50 scanners corporais que vão substituir a revista íntima realizada em visitantes de presos no Estado.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da assessoria do deputado Marcus Vinícius (PTB-RJ)Foto: Vítor Soares/Divulgação da Alerj