Roberto Jefferson abre encontro em Sergipe cantando “Nervos de Aço”

PTB Notícias 13/11/2007, 8:00


Cantando a música “Nervos de Aço” o presidente nacional do Partido Trabalhista Brasileiro, Roberto Jefferson, abriu a convenção estadual da sigla em Sergipe, no último final de semana, no plenário da Assembléia Legislativa sergipana.

Jefferson falou no encontro sobre política nacional, comentou a saída (e o retorno) do deputado federal Jackson Barreto ao partido e chorou, durante discurso emocionado do amigo e correligionário Gilton Garcia, presidente da sigla em Sergipe.

Prefeitos e representantes de diversos diretórios municipais foram prestigiar o evento.

Gilton Garcia saudou os companheiros e falou que o PTB está presente em 51 dos 75 municípios sergipanos.

Já Roberto Jefferson, abriu o seu discurso lembrando que foi deputado federal ao lado de Gilton, em 1982, e que desde então possui laços de amizade com ele.

O ex-deputado federal também disse que o PTB tem sido apontado em pesquisas como o 3º partido mais lembrado pelos eleitores, à frente de partidos como o PSDB e DEM,atrás apenas do PT e PMDB.

Ele também falou que está participando de várias convenções, por todo o Brasil.

Roberto Jefferson também não deixou de falar no mensalão, e disse que o PTB é diferente dos demais partidos envolvidos no escândalo, porque não botou a mão no dinheiro.

“Nosso partido possui condição moral para fazer essa crítica.

Há muito tempo em Brasília, eu nunca tinha visto aquilo, negociar voto com dinheiro.

Existia o tradicional “toma-lá-da-cá”, negociação de cargos, mas dinheiro, nunca”, disse ele.

Antenado com a política local, Roberto Jefferson gastou boa parte do seu discurso falando sobre o deputado federal sergipano Jackson Barreto.

Jefferson disse que Jackson não construiu o PTB no Estado, e que na eleição para federal ele se lançou sozinho na disputa, sem se preocupar em lançar outros candidatos.

Jefferson também disse que a volta do sergipano ao partido já havia sido conversada,e que Jackson é bom caráter.

“Depois de eleito ele ficou muito lulista, muito petista.

.

.

Mas é meu amigo”.

fonte: Agência Nordeste