Roberto Jefferson afirma que PTB deve manter proposta de R$ 580

PTB Notícias 7/01/2011, 13:33


Leia abaixo comentários do Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicados em seu blog na internet ( (http://www.

blogdojefferson.

com/) www.

blogdojefferson.

com) nesta sexta-feira (07/01/2011):Tem espaço pra maisFoi bem recebida pelos partidos políticos a sinalização dada pelo Palácio do Planalto, nesta quinta, de que o governo tem margem para elevar o salário mínimo acima dos R$ 540 propostos inicialmente no projeto de Orçamento da União.

Membros da equipe econômica vazaram para a imprensa que internamente já se fala em R$ 550, principalmente depois que o ministro Guido Mantega foi repreendido por Dilma por fazer ameaças sobre vetos a aumentos no mínimo.

Nós, do PTB, mantemos nossa posição a favor de um mínimo de R$ 580.

O valor de R$ 540 corresponde a um reajuste de 5,9% sobre o mínimo do ano anterior, o que nem chega a repor a inflação projetada pelo INPC para o ano de 2010.

Ou seja, há espaço para um reajuste que não só evite perdas, como promova ganhos reais aos trabalhadores e aposentados, e o governo pode acomodar o Orçamento promovendo cortes em outras despesas.

Seria uma boa iniciativa para Dilma começar seu governo com o pé direito.

Chama o João Santana! Plano para erradicar a miséria é elogiável, principalmente por não se direcionar apenas aos programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, mas por ampliar serviços, como acesso à saúde e educação – destaca-se, porém, o desafio em torná-lo realidade, porque não se sabe ainda como classificar o que é pobreza extrema nem como chegar aos destinatários (e o governo sabe disso).

Dilma, contudo, deveria abandonar a marca “PAC” – Plano de Aceleração do Crescimento da Miséria? Se quer mesmo erradicar, seria bom o governo criar uma nova sigla.

De encarnações e desencarnaçõesEnquanto o antecessor demora a desencarnar (principalmente do bolso do contribuinte), de outro a sucessora parece ainda não ter encarnado completamente no papel de presidente.

Uma semana inteira sem um discurso, sem uma bravata, sem um “nunca antes na história deste país”? Não sei você, caro internauta, mas eu estou gostando do novo modelo.

Amorim, o mágicoPrimeiro vazou que os dois filhos do ex-presidente Lula – Luiz Cláudio e Marcos Cláudio – receberam passaportes diplomáticos do Itamaraty, contrariando normas internas da instituição, já que eles não obedeciam aos critérios exigidos.

Agora, a “Folha de S.

Paulo” informa que um neto de Lula de 14 anos também recebeu o mimo.

Até o bispo da Igreja Universal Romualdo Panceiro Filho teve acesso à regalia.

Quantos coelhos mais sairão desta cartola?Os fantasmas se divertemApesar dos corredores do Congresso permanecerem desertos, nos bastidores a movimentação é intensa, principalmente por telefone.

Muitos são os postulantes a cargos na Mesa Diretora da Câmara e do Senado, e em vários partidos já estão abertas disputas ferrenhas por posições que ainda nem sequer estão definidas.

Os deputados Marco Maia e Aldo Rebelo, por exemplo, que desejam presidir a Câmara no próximo biênio, já sabem que, para fazer campanha, terão que gastar muito com telefone e passagens aéreas, uma vez que os eleitores estão longe de Brasília neste mês de janeiro.

No Senado, entretanto, a reeleição de José Sarney já é dada como favas contadas.

Armas em punhoO presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Cezar Peluso, negou o pedido da defesa de Cesare Battisti para que fosse, imediatamente, libertado, tendo em vista a decisão de Lula que lhe concedeu asilo no País.

Peluso optou por mandar a batata quente ao colega Gilmar Mendes, relator do caso.

Mas apesar de parecer que jogou o corpo fora, em sua decisão o presidente da Corte indicou que o assunto está longe do fim, afirmando que do dia em que o refúgio foi concedido pelo Executivo até hoje nada parece ter mudado.

Ou seja, ainda não há razão suficiente e aparente para deixar o terrorista por aqui.

Nas entrelinhas fica a disposição de comprar, sim, a briga com o Poder Executivo.

Ledo enganoE pensar que Dilma assumiu a Presidência da República acreditando que, com a decisão de Lula no último dia de 2010, teria conseguido se desviar desta bala.

.

.

Mas não sei se isto irá acontecer com Peluso, presidente da Corte, e Gilmar Mendes, relator do caso que votou pela extradição de Battisti, na linha de frente desta batalha.

O buraco é mais embaixoHá tempos este blog chama a atenção para o enfraquecimento do Poder Legislativo durante a era Lula, num jogo perigoso adotado pelo PT.

Chamamos também a atenção, mais recentemente, para o processo que vem se repetindo com o Poder Judiciário – com um STF em crise, com um ministro a menos, alvo de operações da Polícia Federal com vazamentos que, como nunca antes na história deste país, foram tão apócrifos, cindido ao meio, repelido pela opinião pública e publicada.

Acho eu que tanto Lula, como sua equipe, não acreditavam de verdade que os ministros do STF aceitariam um arremedo de decreto para deixar o italiano aqui.

Então para que devolver o polêmico tema do refúgio de Battisti para as manchetes e para a Corte?Filme erradoNo fundo deste buraco em que se transformou o refúgio e o asilo de Battisti, lá no fundo, está nosso Estado Democrático de Direito, que só funciona com os três Poderes da República atuando em equilíbrio.

Sem contar que, nesta história toda, Battisti, que permanecerá preso provavelmente até o fim do recesso do Judiciário, não passa de mero figurante.

Correndo por foraE por falar em STF e Judiciário, nem só de Battisti se faz notícia.

Também já no apagar das luzes de seu governo, no dia 29 de dezembro, o agora ex-presidente Lula assinou o decreto de nomeação do juiz federal Fausto De Sanctis para o cargo de desembargador do Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Fausto ganhou fama ao comandar (ao invés de julgar) as grandes operações da Polícia Federal que, coincidentemente (o que veio primeiro, o ovo ou a galinha?), caíam na 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, sob sua direção por anos a fio.