Roberto Jefferson comenta crise no Senado e loteamento na Petrobras

PTB Notícias 5/07/2009, 14:03


Leia abaixo comentários do Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, divulgado em seu blog na internet ( (http://www.

blogdojefferson.

com/) www.

blogdojefferson.

com) neste domingo (05/7):Condomínio fechado O Globo diz que sindicalistas ligados ao PT dominam postos de gerência da Petrobras, da Transpetro e da Petros, fazendo girar uma engrenagem de financiamento que atinge 938 prefeituras.

É uma máquina gigantesca, se somada aos poderosos fundos de pensão – os maiores investidores institucionais do País, com capital superior a R$ 300 bilhões.

O que não é novidade, mas dá vida a um sentimento generalizado.

Comprova como se deu o sequestro da sociedade civil pelo governo.

O que não falta a Lula é argumento para convencer a bancada a proteger Sarney.

CPI pra quê?Já imaginaram o tamanho do estrondo quando este condomínio político-partidário-sindical-ongueiro-comunitário ruir?Na linha de tiroNo Painel, Renata Lo Prete afirma que o PMDB vai com tudo contra a oposição.

“Primeira determinação: acabou a brincadeira de CPI.

Renan Calheiros tem dito claramente que vai usar a força da maioria para impedir o funcionamento das investigações sobre a Petrobras e o Dnit.

” Consta que o grupo pró-Sarney cogita representar contra o senador Arthur Virgílio no Conselho de Ética.

Mesmo que não represente, a ameaça do grupo atiça a fogueira que arde sob o tucano.

Enquanto Virgílio não apresentar a guia de depósito devolvendo o dinheiro que seu funcionário recebeu indevidamente do Senado, devia parar de jogar pedra nos colegas.

Pelo menos.

O cerco se fechaA Folha de S.

Paulo informa que o ex-diretor-geral do Senado, Agaciel Maia, movimentava três contas ocultas mantidas com descontos do salário de servidores para custear planos de saúde, sendo que apenas parte delas seria usada para este fim (o saldo atual das contas é de R$ 160 milhões e o Senado gasta anualmente cerca de R$ 50 milhões com despesas médicas).

As contas bancárias não tinham nenhum controle (a fiscalização caberia uma comissão integrada por 11 servidores indicados por Agaciel que nunca se reuniu), não constam da contabilidade do Senado nem no Siafi, o sistema de informática que faz o acompanhamento dos gastos públicos.

O cerco vai se fechando sobre o ex-diretor-geral, testemunha de muitas irregularidades – suas, e de muitos outros.

Acabou a munição contra Sarney?O senador José Sarney teve um fim de semana tranqüilo em muitos.

Jornais e revistas não vieram com denúncias novas e bombásticas contra ele.

Na berlinda, apenas o ex-diretor-geral do Senado.

E, como já se esperava, Sarney disse que vai abrir inquérito administrativo contra ele (Agaciel) e o ex-diretor de Recursos Humanos João Carlos Zoghbi, acusados pela comissão de sindicância interna de serem responsáveis pelos atos secretos.

A semana começa sem muito combustível para alimentar a turbulência no Congresso contra Sarney.