Roberto Jefferson comenta entrevista de Antonio Palocci no Jornal Nacional

PTB Notícias 4/06/2011, 15:24


Leia abaixo comentários do Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicados em seu blog na internet ( (http://www.

blogdojefferson.

com/) www.

blogdojefferson.

com) neste sábado (04/06/2011):A forma derrotou o conteúdo O ministro Palocci, na entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, acertou ao apresentar conteúdo nas respostas, principalmente ao evocar a legalidade dos contratos, regidos por normas de confidencialidade.

Onde Palocci errou feio: ao não olhar nos olhos dos milhões de brasileiros que assistiram o jornal.

Se apresentando de lado para a câmera, com olhares esconsos e de soslaio, Palocci soou falso, enfraqueceu suas palavras, não transmitiu convicção.

Acertou no conteúdo mas se equivocou na forma de convencer.

Seu destino parece estar selado.

Chance perdidaNa luta que Palocci enfrenta para se manter em seu cargo, acabou recebendo de bandeja da TV Globo a chance de um assalto derradeiro, no ringue com mais visibilidade do País: o Jornal Nacional.

A emissora lhe concedeu quase um programa inteiro para que se explicasse, e ainda com a facilidade de ser uma conversa gravada e editada.

Diante da oportunidade, Palocci errou a mão na estratégia de luta, e desperdiçou a abertura que teve para virar o jogo.

Não virou e já não há quem acredite que ainda conseguirá tal feito.

No amor e na políticaUm homem, para convencer a mulher amada de suas verdadeiras intenções, da sinceridade de seu amor, iria declarar o seu sentimento olhando para o lado? Iria dizer “eu te amo” com um olhar de soslaio, sem encarar de frente a pessoa que ama? Pois assim fez Palocci, ao deixar de olhar para dentro da câmera da TV Globo.

Por isso não convenceu.

Assumindo os riscosVerdade seja dita sobre a entrevista de Palocci: o ministro demonstrou hombridade.

Não comprometeu a presidente, não comprometeu seu partido, não rompeu a legalidade de seus contratos regidos por cláusulas de confidencialidade.

O ministro assumiu solitariamente os riscos na guerra por sua continuidade no posto.

Está perdendo a luta, mas mostra que é homem.

Momento delicadoNo pós-entrevista, muito já se especula sobre as mudanças na Casa Civil que Dilma terá que fazer caso Palocci deixe o posto.

A especulação sobre os candidatos já ganhou corpo na imprensa, e fontes do Palácio ouvidos por jornais falam sobre intenções veladas de se substituir Palocci por um quadro técnico e não político.

Se for partir para a tal solução técnica, Dilma terá dificuldades com sua base aliada, que já sofrerá grande derrota com a saída de Palocci.

O PT vai com tudo pra ocupar o vácuo que o atual ministro deixará, e este pode ser um fator decisivo para que o Palácio do Planalto perca de vez o controle sobre sua base de sustentação.

A presidente precisa mover com cuidado suas peças no xadrez da política.

A aritmética do HaddadO Ministério da Educação parece mesmo disposto, nos últimos dias, a rivalizar com o caso Palocci em termos de manchetes negativas.

Agora, revela-se que técnicos da pasta descobriram que uma publicação distribuída a alunos de escolas rurais contém erros primários, como frases inconclusas, contas aritméticas com resultados errados e diversos problemas de revisão.

Matérias do “Estadão” e de “O Globo” revelam que entre todos os erros, o mais absurdo é o de uma conta aritmética que mostra que 10 – 7 = 4.

Se os erros tivessem sido verificados ainda na fase de edição, vá lá, mas o tal livro já foi impresso (sete milhões de exemplares) e teve um custo de R$ 14 milhões.

Nessa hora, o contribuinte sabe fazer contas melhor do que os técnicos do MEC para avaliar o quanto estão tirando do seu bolso.