Roberto Jefferson comenta movimentações para 2010, juros e pré-sal

PTB Notícias 19/03/2009, 11:22


Leia abaixo comentários do Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicados em seu blog na internet ( (http://www.

blogdojefferson.

com/) www.

blogdojefferson.

com) nesta quinta-feira (19/3):Sobrevivência O PMDB quer participar do grupo que decide com Lula a condução política e econômica do governo.

Isso é muito bom para o partido, e, se concretizada, consolida a relação PT-PMDB em 2010, que terá PSDB-DEM como oposto (provavelmente com Dilma x Serra).

Os médios e pequenos partidos sabem disso, e têm medo de ser engolidos, pois a dupla governista é espaçosa.

Esta inquietação está na raiz da contradição de um ministro do governo Lula (Carlos Lupi) cortejar Aécio Neves, abrindo-lhe as portas do partido para que ele concorra à presidência.

Novos elementosNa continuidade do julgamento do Supremo Tribunal Federal da demarcação da reserva indígena Raposa/Serra do Sol, o ministro Marco Aurélio trouxe novos e importantes elementos.

Começou com enumeração de irregularidades que em tese ocorreram no processo, opinando pelo seu recomeço.

Mas também entrou no mérito, lembrando da importância econômica da região – com área 12 vezes maior que o município de São Paulo – e tentando lembrar as colegas e aos ânimos inflamados que acompanham o caso o que é mais importante para os indígenas hoje.

O julgamento continua hoje e parece difícil que os ministros mudem o entendimento que atualmente prevalece: nove ministros já votaram pela demarcação contínua, mas com a imposição de mais de uma dúzia de restrições.

Mas é importante que o voto de Marco Aurélio faça parte deste precedente, pois há no tribunal outras demandas parecidas na fila do julgamento.

Além do que, o ministro mais uma vez mostrou coragem, desta vez votando contra o entendimento da maioria de seus colegas.

Engrandeceu a Corte e a coragem, que é sua marca.

O povo merece saberEm audiência na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, os presidentes do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal (Antonio Francisco de Lima Neto e Maria Fernanda Ramos Coelho) fugiram o quanto puderam de responder sobre o índice de inadimplência de seus clientes nas operações de empréstimo, no cheque especial e no cartão de crédito.

Está aí uma informação que todos nós queremos saber: os bancos alegam que os juros são altos porque a taxa de risco no Brasil é ainda mais alta, basicamente por conta da inadimplência.

Mas se eles não informam sobre o quanto dos correntistas é inadimplente, como saberemos se estão falando a verdade na hora de justificar o monstruoso “spread” entre a taxa básica do BC e o que eles cobram dos clientes? Será que a bolha da inadimplência já está para estourar e nós nem sabemos?Ouve essa, Meirelles!Que inveja.

O Federal Reserve, que é o banco central dos Estados Unidos, decidiu nesta quarta-feira manter a taxa de juros do país variando entre zero e 0,25% ao ano.

Não é ao mês, caro leitor, é ao ano! Isso quer dizer que um cidadão norte-americano que tome um empréstimo bancário para comprar uma casa, por exemplo, mesmo que faça uma hipoteca de 20 anos, pagará ao final do contrato quase o mesmo valor total do empréstimo recebido.

Que inveja!Os motivos são muitosEnquanto isso, por aqui, o nível de emprego no mês de fevereiro foi o pior dos últimos dez anos.

Apesar de os empregos com carteira assinada terem revelado números positivos, ainda estão muito abaixo do normal histórico para um período como este.

Que tal essa, Meirelles? Vai juntando esses dados, pra que na próxima reunião do Copom vocês resolvam passar uma faca mais afiada na taxa de juros brasileira.

Devagar com o andorNão dá ainda para soltar foguetes com o anúncio do governo de que, enfim, depois de nove meses, aquela tal comissão interministerial decidiu-se por um novo modelo para exploração das reservas de petróleo do pré-sal.

A proposta da comissão ainda vai passar por uma avaliação no Palácio do Planalto, e deve chegar ao Congresso Nacional depois da Semana Santa.

No Congresso, a proposta deve ser submetida a discussões nas principais comissões, audiências públicas, debates, relatórios, votação na Câmara, votação no Senado.

.

.

não sei não, será que este marco regulatório do pré-sal é pra 2009?Uma bela marcaNa solenidade de assinatura do protocolo de intenções com a Fundação Getúlio Vargas, o senador José Sarney desabafou: “Não tenho mais aspiração política, a não ser cumprir este meu último mandato.

Portanto irei fazer o que for necessário”.

Pelo tom do desabafo, o “antigo” Sarney pode ser o ar novo que o Legislativo tanto precisa.

Água friaComo o governador Aécio Neves já teve em Minas Gerais, o governador paulista José Serra tem hoje nas mãos uma bela batata quente: as polícias.

Está semana surgiram notícias sobre a “guerra” entre polícias Civil e Militar quase que na porta do Palácio dos Bandeirantes no ano passado.

Tem PM defendendo policiais civis e vice-versa, mas a culpa recaí no colo do governo e de sua inabilidade, naquele momento, de negociar.

Para piorar, ronda a Secretaria de Segurança Pública um escândalo que levou Ronaldo Marzagão a deixar o cargo antes mesmo que a fumaça subisse.

Seu substituto, escolhido a dedo, o ex-oficial da PM Antonio Ferreira Pinto, é considerado com bom trânsito na Polícia Civil.

Uma boa escolha, porque o calor entre as duas instituições pode fazer a água ferver novamente.