Roberto Jefferson comenta problemas da TV Globo com Big Brother

PTB Notícias 17/01/2012, 11:52


Leia abaixo comentários do Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicados em seu blog na internet (www.

blogdojefferson.

com) nesta terça-feira (17/01/2012):Caso de polícia A TV Globo expulsou o participante do BBB acusado de manter relações sexuais com uma “brother” embriagada e supostamente desacordada.

Na certa, a instauração de inquérito policial para apurar o caso teve seu peso.

A rede e o diretor do programa, Boninho, bem que tentaram diminuir a repercussão do caso, mas não deu certo.

Ontem foi anunciado que em razão de um “comportamento inadequado”, o “brother” estava “eliminado”.

E pelas repercussões de hoje, muito ácidas em direção à emissora, a Globo falhou na tentativa de abafar o caso e vender eufemismos.

Nossos pequenos Egitos (1) O caso (relâmpago) deste Big Brother Brasil 12 já tem diagnóstico claro: foi a rede.

As acusações de estupro continuaram bombando nas redes sociais, assim como o vídeo que supostamente o mostra, apesar de estes serem rápida e repetidamente apagados pelo YouTube (graças a um antigo acordo do site com a TV Globo).

Se a internet já foi uma imensa revolução, as redes sociais parecem ser uma revolução ainda maior, ou para usar os termos informáticos, uma revolução 2.

0.

No Egito, elas derrubaram governos e organizaram revoluções, aqui elas se saíram melhor pautando o reality show do que levando manifestantes para as ruas.

Mesmo assim, no caso, mostraram seu imenso poder.

Custo ou benefício Na prática, porém, as apostas são de que, apesar das críticas ferrenhas que ainda inundam as redes sociais e a própria imprensa, a audiência do programa aumente em razão da polêmica.

Bem por isso, não dá para apostar que a violência e a repercussão negativa de todo o caso – desde o abuso em si, até o tratamento que a emissora deu a ele no ar – sejam a pena de morte do programa que, acredite se quiser, já está em sua 12ª edição.

Será que os críticos mais ferozes do programa e de sua edição não pensam também em uma campanha de boicote? Os resignados telespectadores que tiram o som da TV enquanto esperam o BBB terminar para verem as minisséries da temporada – primeiro, Dercy de Verdade, agora, O Brado Retumbante – ficariam muito agradecidos.

Fim da linha? O caso da expulsão do integrante do programa, por “comportamento inadequado” (no caso, o suposto estupro via satélite), teve um detalhe digno de nota: saíram em defesa dos BBBs Daniel e Monique (o autor da ação, e a integrante que supostamente teria sido estuprada, respectivamente) o “empresário” dele e a “assessora” dela, um, aliás, procurando jogar a culpa no outro pelo ocorrido.

Então, quer dizer que essa turma de desconhecidos já entra no programa com empresários e assessores a tiracolo? O programa se tornou uma ponte para contratos futuros apenas.

A fórmula de sucesso do BBB parece ter caducado.

Nossos pequenos Egitos (2) Não obstante o acordo entre YouTube e a Globo para não deixar no site vídeos de programas da emissora (por respeito à propriedade intelectual dos programas), e como já era mais do que sabido e esperado, o tal vídeo continuou e continua bombando na rede.

Os tempos mudaram e essa guerra já antiga entre direitos autorais e internet parece estar perdida.

Repito o que disse ontem e o que todos repetem há tempos: na rede nada some.

Vamos falar de coisa séria Não duvido que, com toda a polêmica e alvoroço que o caso BBB 12 está causando, tirem do baú e da gaveta os projetos de lei sobre a internet.

Há o polêmico Projeto Azeredo, que quer criar uma coleira legal para o mundo virtual.

Mas a internet, no caso, é hoje vista mais como heroína do que como bandida, fazendo na rede o que a Globo não teria feito na telinha – mostrado a realidade do que aconteceu no seu reality show.

Se for para falar de lei, é melhor falar de uma lei nova.

As que tentam fazer sumir alguma coisa da internet vão instituir a prática do murro em ponta de faca.

Não vai dar certo e vai flertar com a inconstitucionalidade.

Sopa sem letrinhas Aliás, direitos autorais estão bombando não só aqui, com a divulgação do acordo furado entre Globo e YouTube, mas também nos EUA.

Nesta quarta-feira, a versão em inglês da Wikipédia vai ficar fora do ar por 24 horas em protesto contra a Sopa, sigla em inglês para o projeto de lei americano de antipirataria.

Google e Facebook também podem participar do protesto.

O radical projeto de lei quer punir com bloqueio sumário e veto a anunciantes até mesmo quem fornece links para sites de donwload.

Na prática, se o Google der uma resposta errada na pesquisa pode acabar punido com a mesma severidade com que o site que fornece o material protegido por direito autoral.

Não tem muito tempo a retirada de sites do ar e a censura do Google eram coisas da pouco democrática China, que chega até a internar blogueiros em hospícios.

Quem diria que a terra da liberdade de informação caminha para virar uma outra triste China.

.

.

Candidatura própria O PTB de São Paulo vai concorrer com cerca de 500 candidatos a prefeito no estado.

Na capital, a chapa petebista será encabeçada pelo presidente da seção paulista da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Luiz Flávio Borges D’Urso.

Os projetos Pelusos (1) Editorial da “Folha de S.

Paulo” lança uma campanha: uma nova reforma do Judiciário que permita ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) demitir magistrados acusados de irregularidades administrativas comprovadas.

O texto começa contando que o novo titular da Secretaria da Reforma do Judiciário (que já havia sido reformado quando se criou o CNJ) declarou-se favorável à modificação da Lei Orgânica da Magistratura Nacional – de 1979, essa lei permite a demissão do juiz apenas quando em decorrência de uma ação penal, quando há remuneração relativa a processos ou quando há dedicação a atividades partidárias.

O editorial termina dizendo que esta lei só pode ser modificada por iniciativa do Supremo Tribunal Federal, mas que o presidente da Corte, ministro Cezar Peluso, deve enviar até abril deste ano um projeto ao Congresso.

Nos dias atuais, com magistratura e CNJ fazendo uma guerra que tem como campo de batalha o STF, a lei pode virar mais uma complicada volta nesta crise.

Os projetos Pelusos (2) O presidente do STF, ministro Cezar Peluso, enviou também uma PEC ao Congresso que relativiza a presunção de inocência.

Causou incômodo nos colegas, pois fez a PEC sem discuti-la na Corte.

Depois disso, a relação entre os ministros só fez degringolar.

A “Folha” não diz se este novo projeto é apenas de Peluso, ou se de todos os ministros do STF.

Mas o andor é de barro e o santo está lascado, rachado e em crise – é bom, portanto, ir bem devagar.

Antes de pensar em mudar a Lei Orgânica da Magistratura – campanha válida – é bom primeiro acabar com a atual crise do Judiciário e tirar da pauta os diversos julgamentos polêmicos que aguardam na fila.

Não querem mais nada, não? Em visita ao Brasil, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, voltou a pedir rapidez na aprovação da Lei Geral da Copa, que caminha lentamente na Câmara, e ainda terá que passar pelo Senado.

E como se já não houvesse polêmica suficiente neste projeto, Valcke acrescentou outra: defendeu que o governo brasileiro seja responsabilizado em casos de prejuízos causados à entidade por conta de desastres naturais na Copa-2014.

Elaborado pelo Palácio do Planalto, o projeto prevê que a União pague pelos danos causados à entidade apenas em casos de “ação ou omissão”.

Resumindo: a Fifa quer que o contribuinte pague a conta caso uma enxurrada leve água abaixo um lote de cervejas do patrocinador oficial do evento ou as bolas oficiais da competição, e por aí vai.

Turminha sovina essa da Fifa, hein? Mais acessos, problemas idem Notícia que chamou atenção no programa Bom dia Brasil, da TV Globo, na manhã desta terça.

A de que o Brasil ultrapassou a faixa dos 242 milhões de celulares habilitados, aumento de quase 20% em relação a 2010.

E isso para uma população de 190 milhões de habitantes.

Com tanto telefone assim na praça não é de estranhar por que os serviços de telefonia móvel são um dos campeões de reclamações nos órgãos de defesa do consumidor.

Segundo boletim divulgado pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, as operadoras de telefonia só perdem para os bancos no topo da lista de insatisfação de usuários.

De acordo com o órgão, os problemas que mais fustigaram a população em 2011 são relacionados a cartões de crédito (9,21%); telefonia móvel (7,99%); serviços bancários (7,26%); telefonia fixa (5,56%) e aparelhos celulares (5,44%).

O levantamento é um alerta à Anatel, a quem cabe fiscalizar as telefônicas.

Aliás, cabe a pergunta: o que tem feito a Anatel para enquadrar o setor? Melhor assim Primeiro foi o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

Agora foi a vez da ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, comparecer às aulinhas do Detran-DF para ter direito a receber de volta a carteira de motorista.

A ministra perdeu a carteira porque ultrapassou o limite de pontos com multas por estacionar em vagas proibidas; o problema de Bernardo foi excesso de velocidade e dirigir falando ao celular.

Apesar da turma da Esplanada estar precisando dar melhores exemplos no trânsito, pelo menos estão mostrando que não recorrem a carteiradas na hora de reaver seus documentos.