Roberto Jefferson comenta sobre Mantega, lista de Furnas e jogo do Santos

PTB Notícias 18/12/2011, 13:03


Leia abaixo comentários do Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicados em seu blog na internet (www.

blogdojefferson.

com) nesta domingo (18/12/2011):O homem da hora O personagem do domingo é o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Os três grandes jornais do país publicaram entrevistas com ele, que fecha o ano como a figura de maior prestígio na Esplanada.

Diante de um cenário de agravamento da crise internacional, todos querem saber o que o país vai fazer para estimular a economia e recuperar o crescimento.

E o ministro adiantou algumas medidas que virão, como redução de impostos e desoneração da folha.

Com a crise batendo na porta, torcemos para que o trio Dilma-Mantega-Tombini continue tocando de ouvido.

Apenas mais do mesmo? A revista Veja traz neste fim de semana uma repetição da matéria sobre a chamada “Lista de Furnas”, e de novo a reportagem não traz nada de conclusivo, apenas a citação de um vazamento de pequeno pedaço do inquérito que corre em segredo de justiça da 2a Vara Criminal do Rio de Janeiro.

Como já disse, a lista é velha e ultrapassada, e o que interessa é saber aonde querem chegar os procuradores que investigam o caso.

Uma delas, Andrea Bayrão, diz à revista que o foco da investigação são as licitações de Furnas, e que a lista é apenas parte do caso.

Será que o fogo amigo, que vazou para a imprensa o conteúdo das declarações do estelionatário que inventou a lista, mirou o que queria e acertou o que não desejava? Volto a perguntar: a quem interessa Furnas? Aula de futebol Pra quem acordou cedo neste domingo, esperando ver um jogão entre Barcelona e Santos, não teve como não ficar decepcionado com o fato do time brasileiro parecer mal ter entrado em campo.

É certo que uma partida de futebol é apenas isso, uma partida, mas o que fica deste jogo, além da aula de futebol que toamos, é a constatação de que nossos times precisam resgatar suas origens para voltarmos a ser os melhores do mundo.

O Barcelona joga hoje como nossos times jogavam nos anos 70 e 80, com muita troca de passes, jogadores bons em todas as posições, muito apoio para a prata da casa.

Nosso futebol está coalhado de empresários, técnicos prepotentes, craques mais interessados em cortes de cabelo e contratos publicitários e um bando de meros destruidores de jogadas.

Alguma coisa precisa ser feita, e já, do contrário passaremos vexame na Copa de 2014 no Brasil.

Chora a cultura O país ficou mais triste neste fim de semana, principalmente o mundo das artes, da cultura, da música, com a perda de dois ilustres brasileiros, dois ícones em suas áreas de atividade, que faleceram neste sábado: o carnavalesco Joãosinho Trinta e o ator e diretor Sérgio Britto.

Também faleceu no mesmo dia a consagrada cantora de Cabo Verde, Cesaria Evora, uma das mais belas vozes do Fado.

Os três merecem o aplauso eterno das platéias de todo o mundo.

Atenção com a Rio+20 (1) O colunista Clovis Rossi, na “Folha” deste domingo, expõe sua preocupação com os rumos da conferência internacional Rio+20, programada para junho de 2012 no Brasil, e que discutirá os avanços na questão ambiental em todo o mundo 20 anos após a Rio 92.

Clovis Rossi afirma que Dilma tem a chance de liderar o sucesso da reunião, mas por enquanto o que se vê é uma tentativa do governo de esvaziar o evento.

A mesma preocupação foi externada nesta semana, pelo senador Fernando Collor, que em reunião da Comissão de Relações Exteriores do Senado, que ele preside, disse que a conferência caminha para um “retumbante fracasso”.

Segundo Collor – que foi o autor da ideia de realização da conferência – é visível a intenção do Palácio do Planalto em reduzir a importância do evento, e para ele, a própria escolha dos temas pode contribuir para o fracasso da Rio+20.

Atenção com a Rio+20 (2) Clovis Rossi e Fernando Collor estão corretos em demonstrar preocupação com os rumos do evento.

Temos lido na imprensa notícias sobre a ausência de chefes de governo estrangeiros, e uma conferência internacional com a participação apenas de delegações diplomáticas não vai produzir qualquer efeito na discussão sobre as questões climáticas no mundo.

A Rio+20 pode acabar se tornando um vexame para o Brasil.

Que Dilma não deixe a situação chegar a esse ponto, e como diz Clovis Rossi, que aproveite a chance para ter seu grande momento de estadista internacional, ocupando vigorosamente a cena durante as discussões sobre meio ambiente e clima.