Roberto Jefferson critica erros na operação contra o desmatamento

PTB Notícias 17/02/2008, 12:11


Leia abaixo os comentários do Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicados neste domingo (17/2) em seu blog na internet ( (http://www.

blogdojefferson.

com/) www.

blogdojefferson.

com), sobre os erros do governo na operação contra o desmatamento na Amazônia:O show precisa continuar Para desviar a atenção da opinião pública da CPI dos Cartões, o governo preparou uma mega-operação de combate ao desmatamento na Amazônia.

É regra.

Acuado, o governo sempre chama a PF para atrair a mídia com operações de grande efeito visual.

Desta vez, porém, teve de correr.

Correu tanto que esqueceu de liberar o dinheiro para a operação, diz O Globo.

Quanto às próximas vítimas – madeireiros -, deverão ter o mesmo destino das demais: no futuro (bem) próximo estarão por aí, cometendo as irregularidades de sempre.

Para inglês verO histórico de operações de combate ao desmatamento da Amazônia tem sido decepcionante.

Segundo o diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Flávio Montiel (ex-militante do Greenpeace), “em 2007 foram aplicadas 5.

700 multas que, somadas, totalizaram mais de R$1,4 bilhão.

Também em 2007, foram apreendidos mais de 228 mil metros cúbicos de madeira, 202 motosserras, 665 caminhões, 54 tratores e 51 armas de fogo”.

Mas, na realidade, o governo não verá a cor do dinheiro.

A ONG Amigos da Terra levantou que, das multas aplicadas em 2006 (R$ 700 milhões), apenas 0,6% entrou nos cofres públicos.

“Os infratores recorrem à Justiça e, na maioria das vezes, não pagam nada”, diz um diretor da ONG.

Tem de doer no bolsoPara o pesquisador Adalberto Veríssimo, do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), porém, só operações não bastam.

É preciso fazer valer a lei, como o cumprimento do Decreto 6.

321/2007, que, “além de impor sanções aos 36 municípios que mais desmataram na Amazônia, restringirá crédito oficial para madeireiros que comprovadamente destroem a floresta e que terão seus nomes divulgados” (O Globo).

Elementar: é preciso cortar acesso ao crédito dos desmatadores nos bancos da Amazônia, do Brasil e Caixa Econômica.

Parece simples, e é.