Roberto Jefferson diz que Brasil precisa realizar reformas

PTB Notícias 10/05/2012, 14:57


Em encontro com lideranças e militantes do partido e de outras agremiações da cidade de Palhoça (SC) e região, o Presidente Nacional do Partido Trabalhista Brasileiro, Roberto Jefferson, disse nesta quarta-feira (09/05/2012) que para o Brasil poder crescer ainda mais e ser um país mais justo é preciso fazer reformas, como na área tributária e na de educação.

Segundo Jefferson, essas duas pautas se impõem no atual cenário do país.

O Líder do PTB estava acompanhado pelos secretários da Executiva Nacional Norberto Martins (Primeiro secretário) e Honésio Ferreira (Comunicação), e do presidente do Diretório do PTB-SC, Francisco Cardoso de Camargo Filho, o Cochi.

O evento contou ainda com a presença dos ex-deputados estaduais João Rosa e Sérgio Godinho.

“A reforma tributária se impõe.

O governo federal fica hoje com 70% de tudo o que arrecada, dá 22% para o Estado e 8% aos municípios.

Isso gera distorções, porque parece que Brasília comanda o Brasil, e não é verdade.

O Estado federado é uma abstração jurídica.

Brasília é o último passo da federação.

O Brasil nasce na casa da gente”, disse.

“A caneta dela (da presidente Dilma Rousseff) é cheia demais.

Coisas que são da comunidade fazer, resolver, vêm como óculo do governo federal como esmola.

E é isso que é errado.

A reforma tributária se impõe, tem que inverter essa pirâmide.

Está bem que a União fique com 40% do que arrecada, mas tem que deixar o município ter a sua receita, a sua independência, porque quem não tem dinheiro não tem liberdade.

” Sobre a reforma educacional, assunto que também se impõe e que considera fundamental realizar-se no país, Roberto Jefferson acredita que o Brasil ainda não é mais justo porque a educação pública no país e de ensino superior é das elites.

O Presidente do PTB avalia que a situação tem melhorado, mas os carentes ainda não tem acesso pleno.

Jefferson exemplificou ainda que como os salários de primeiro e de segundo grau não são atraentes, os professores que tem uma formação mais densa (física, química, matemática, geografia etc.

) não dão aula em escola pública.

“Não tem.

Ou se tem é aquele aprendiz de professor, que faz por dedicação e amor pelos alunos que já estão ali”, disse.

“Aí esses meninos vão pegar os que saem, por exemplo, do São Bento, do Ipiranga, do Rio de Janeiro, não são páreos, não vão conseguir enfrentar esses meninos numa prova de vestibular.

Mas agora tem a cota de negros, que é de 25%.

Mas ainda é 75% injustiça.

Se fosse uma cota social, onde universidade pública é apenas para os meninos e meninas que saem de escola pública, aí eu estou de acordo.

Vão os meninos que se formaram na escola particular.

Tem que ter reforma.

“Roberto Jefferson destacou que esses dois assuntos, da reforma tributária e educacional, são difíceis de enfrentar, são pautas que geram tensões, porque, de acordo com ele, tem penetração na mídia, para constituir resistências.

O Líder do PTB Nacional prevê, no entanto, que esse é um projeto que o Brasil vai ter que enfrentar, porque não é justo.

“Você gastar o esforço do imposto da sociedade para formar advogado em nome de quê? Advogado formado na federal, na estadual, como? Enquanto o filho do pobre não tem professor de física, química.

.

.

O que precisa aqui no Brasil é a concentração dos esforços, que já são tão poucos, para que nós possamos permitir que o filho do mais pobre ganhe oportunidade.

Temos que ter esse sentimento positivo, entender as limitações do jogo, e podermos avançar”, salientou.

Agência Trabalhista de Notícias, por Felipe MenezesFoto: Felipe Menezes