Roberto Jefferson diz que Palocci precisa mostrar a lista de empresas

PTB Notícias 28/05/2011, 16:48


Leia abaixo comentários do Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicados em seu blog na internet ( (http://www.

blogdojefferson.

com/) www.

blogdojefferson.

com) neste sábado (28/05/2011):Libera a lista, Palocci O ministro Antonio Palocci enfim encaminhou à Procuradoria-Geral da República ofício com respostas a um pedido de explicações feito pelo procurador-geral, Roberto Gurgel, sobre as atividades de sua empresa de consultoria.

Mas há um porém, diz “O Globo”: Palocci não anexou a lista das empresas que contrataram a Projeto.

E ele deveria fazê-lo, pois a crise envolvendo a empresa já está paralisando o governo Dilma.

Até porque, já-já a lista vai vazar, deixando mal todo mundo.

O chefe da Casa Civil precisa liberar a lista para o procurador.

Collor de saiaMuitos são os sinais que mostram que a articulação política do governo Dilma perdeu densidade: a falta de jogo de cintura na votação do Código Florestal, no encaminhamento no caso Palocci, na interferência direta de Lula para estancar a crise e, por fim, o erro do ministro da Casa Civil ao ligar para o vice-presidente, Michel Temer, exigindo dele que o PMDB votasse com o governo no Código sob risco de o partido perder ministérios.

Mas quando eu pensava que tudo já tinha acontecido, veio a pá de cal: alertada por senadores do PT, a presidente Dilma desautorizou acordo firmado pelo líder do governo, Romero Jucá (PMDB), com a oposição (diga-se Aécio Neves), por meio do qual uma comissão poderia derrubar as MPs antes de elas chegarem ao plenário (a mudança no rito das MPs, um peso para o Congresso, conta até mesmo com o aval do presidente do Senado, José Sarney, também peemedebista).

São muitos os exemplos de que o Palácio do Planalto vem queimando pontes no Congresso (principalmente com seu maior aliado, o PMDB).

A continuar assim, a presidente – de personalidade voluntariosa, temperamental – poderá perder o apoio do Parlamento, o que já aconteceu com Fernando Collor.

Por fora, bela viola; por dentro, pão bolorentoO presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, saiu de uma reunião com dirigentes de seis centrais sindicais, ontem, em São Paulo – da qual participou Lula -, dizendo que o ex-presidente defendeu a convocação de uma assembleia nacional constituinte em 2014 para tratar exclusivamente da reforma política caso o Congresso não consiga aprová-la agora.

Lula acredita que (sempre segundo Paulinho), mesmo focando em pontos consensuais, como agora, será difícil fazer uma reforma ampla, que atenda aos interesses da população.

Aparentemente, a proposta seria válida, se não morasse aí mora um perigo: qual seria o foco, que interesses estariam por trás dessa constituinte?Goulart redivivoO que me parece é que Lula quer aproveitar a constituinte para aplicar um golpe branco na democracia, instaurando no País uma república sindicalista.

Por meio dela, uma saída constitucional (modelo já usado por Hugo Chávez na Venezuela), Lula pretende fazer do PT um poder hegemônico (aliado a seus satélites), destroçando os demais partidos.

Mesmo sem saber em que termos, o fato é que eu não acredito em uma reforma política proposta por Luiz Inácio Lula da Silva, pois desconfio de seus objetivos.

Com certeza, será uma reforma à la Chávez, disfarçada de republicana.

Se o presidente da Venezuela é um ditador grotesco, Lula quer ser o simpático.

O computador sabe tudo?É oficial: o acidente do voo 447 da Air France (Rio-Paris), que matou 228 pessoas, em 31 de maio de 2009, durou exatos 3min22s (com a aeronave a uma velocidade de 187 km/h), informou o BEA, órgão francês que apura as causas do acidente.

Pelo relatório, fica a sensação de que, mais uma vez, está se querendo jogar a culpa em falhas humanas para preservar o sistema automatizado de voo da Airbus, conhecido como Fly-by-wire, mas que, na verdade, retira dos pilotos grande parte de sua autonomia em manobras áreas de emergência.

Esse mesmo tipo de questionamento já surgiu em vários outros tipos de acidente com aviões Airbus no mundo.

Um deles foi o da TAM, no Brasil (Congonhas, em julho de 2008, matando 199 pessoas), em que os pilotos tentaram arremeter o avião, mas o sistema não teria permitido.