Roberto Jefferson diz que PT e PMDB precisam fazer “terapia de grupo”

PTB Notícias 5/01/2011, 8:16


Leia abaixo matéria do site da Folha de S.

Paulo, de autoria da repórter Maria Clara Cabral:Jefferson diz que PT e PMDB precisam fazer ‘terapia de grupo’ Responsável por denunciar a existência do mensalão, o ex-deputado e Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, criticou, em seu blog pessoal, a disputa por cargos entre PT e PMDB.

Ele alerta que essa é a atmosfera ideal para “severinadas”, referindo-se ao ex-deputado Severino Cavalcanti (PP), que foi eleito, em 2005, presidente da Câmara.

Jefferson diz ainda que os dois partidos precisam fazer terapia de grupo para discutir a relação e definir se serão “parceiros ou inimigos íntimos”.

“O método, contudo, deve prescindir da ortodoxia, caso contrário a terapia se estenderá além do que a prudência exige.

O clima de conflagração partidária é como fogo no palheiro cujo dono tem como meta austeridade nos gastos [um palavrão para os políticos]”, diz ele.

Ainda segundo Jefferson, o Planalto precisa atuar urgentemente devido “à complicada pauta de votações que o Congresso terá a partir de fevereiro”.

“O clima das votações no Congresso em fevereiro será crucial para definir se Dilma Rousseff terá controle sobre a pauta do Congresso, ou se viverá meses turbulentos, principalmente por conta da ojeriza do meio político a palavras como ‘austeridade’ e ‘enxugamento'”, completa.

Entre os pontos problemáticos estão a PEC 300, que cria um piso nacional para os policiais, a medida provisória do salário mínimo e as reformas política e tributária.

Na manhã desta terça-feira, 04/01, o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), afirmou que as nomeações estão congeladas até a eleição da Mesa no Congresso, que acontece no começo de fevereiro.

O temor é que as insatisfações por causa de cargos de segundo escalão contaminem a eleição, principalmente da Câmara.

O nome oficial do governo à presidência da Câmara é o do petista Marco Maia (RS), mas há a possibilidade de candidaturas alternativas, como a de Aldo Rebelo (PC do B), crescerem.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações do Portal Folha.

com