Roberto Jefferson fala na Paraíba sobre candidatura de Collor para 2010

PTB Notícias 10/06/2007, 19:23


O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, disse na última sexta-feira, 08, durante o encontro estadual do PTB na Paraíba, que o lançamento de Fernando Collor de Mello como candidato a presidente da República em 2010 depende apenas do próprio senador alagoano, que tem resistido à idéia de disputar as próximas eleições.

Apesar da resistência, Jefferson acalenta o “sonho” de convencer o ex-presidente e tê-lo como candidato petebista à sucessão do presidente Lula.

“Se você me perguntar se eu sonho isso, tenha certeza que eu sonho.

Mas depende dele.

Se depender do meu sonho, de um projeto nacional para o partido, disputaremos a eleição presidencial com candidato próprio e o nome que o PTB tem para lançar é o dele (de Collor)”, afirmou o presidente do PTB.

Roberto Jefferson avalia como uma “reconciliação com a opinião pública”, e não como um movimento de pré-campanha eleitoral, a mobilização de Fernando Collor pelos Estados em defesa do parlamentarismo.

De acordo com o presidente do PTB, Collor aposta na mudança do sistema político do país e, portanto, não poderia estar em campanha presidencial.

O presidente nacional do PTB ministrou, durante o Encontro Estadual do partido na Paraíba, que aconteceu no Cine Bangüê do Espaço Cultural, uma palestra sobre Reforma Trabalhista.

Ele propõe, inclusive, que seja realizado um plebiscito para que a população decida se o Congresso deve mexer na consolidação dos direitos dos trabalhadores.

Roberto Jefferson não poupou críticas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Na sua visão, o governo federal não tem um projeto nacional e consegue fazer sua base adotando a política do toma lá, da cá.

“O Governo Lula não tem um projeto nacional.

Não junta os partidos em torno de idéias.

Governa na base do toma lá, da cá e na indicação de cargos”, desabafou o petebista.

O ex-deputado deixou claro, porém, que é contra qualquer atitude de desestabilização do governo federal e defende que os partidos apóiem a governabilidade.

Jefferson garantiu que o PTB não indicou ninguém para ocupar cargos no Governo Lula.

“O partido deve apoiar a governabilidade, mas sem intimidade e sem fazer nomeações.

Temos que ter um limite de ação.

É o que eu sempre reivindico”, completou ele.

Segundo Roberto, apesar de não ter um projeto nacional, o governo federal conseguiu fazer com que o Brasil crescesse e que sua economia se tornasse sólida.

“A economia está indo bem, mas moralmente o governo é pobre.

E na hora que houver uma crise econômica, a crise moral vai tomar conta”, alertou.

Sobre as operações deflagradas pela Polícia Federal no País, onde empresários, políticas e pessoas do meio jurídico já foram presas, acusadas de fraudes e corrupção, o presidente do PTB avaliou que o presidente Lula vem utilizando a PF como marketing.

Reforma políticaO ex-deputado Roberto Jefferson considera a proposta de Reforma Política, que tramita no Congresso, como sendo fundamental para o fortalecimento e modernização do sistema político do País.

Para ele, não pode mais uma eleição de deputado federal custar em torno de R$ 3 milhões e de senador R$ 15 milhões.

“Isso vai levar a corrupção permanente.

Nós vamos ter que fazer um voto distrital, financiamento público de campanha e moralizar o sistema”, destacou.

Ao ser perguntado se teria alguma proposta para evitar que políticos envolvidos em corrupção conseguissem se eleger, Jefferson foi enfático: “Quem vai decidir isso é o povo.

Ninguém é mais soberano do que o povo.

Eu sou advogado de júri.

E no júri quem decide é o povo”, analisou o presidente nacional do PTB que teve seu mandato cassado há dois anos por envolvimento no esquema do mensalão.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações do Jornal Correio da Paraíba)