Roberto Jefferson fala sobre cirurgia no pâncreas e julgamento do mensalão

PTB Notícias 27/07/2012, 11:57


Leia abaixo a íntegra da reportagem e da entrevista de “O Estado de S.

Paulo” com o Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicada nesta sexta-feira (27/7/2012).

Jefferson será operado para extrair tumorEx-deputado, que se submete amanhã a longa cirurgia para retirar tumor do pâncreas, admite estar “com medo”Luciana Nunes Leal / RIOAos 59 anos, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), autor da denúncia do mensalão e um dos 38 réus do processo, está com medo.

Foi o que confessou na manhã de ontem, ao se internar no Hospital Samaritano, no Rio, onde será submetido amanhã a cirurgia para retirada de um tumor no pâncreas.

A uma semana do início do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), Jefferson, que teve o mandato cassado em setembro de 2005, diz que, desde a descoberta da doença, o veredito da Justiça tornou-se uma preocupação menor.

“Não vou falar que sou herói.

Estou com medo.

Não depende mais de mim, não estou mais no comando do navio.

Mas estou muito bem espiritualmente”, disse o ex-deputado.

Além da cirurgia, que deve durar de oito a dez horas, o ex-deputado está na expectativa do resultado da biópsia, que dirá se o tumor é maligno.

Ele recebeu o diagnóstico do tumor na quinta-feira passada, dia seguinte ao da convenção do PTB que o reconduziu à presidência do partido por mais três anos.

O comando partidário é sua principal atividade.

Jefferson participou das negociações para as principais alianças deste ano, como a do PTB com o PRB de Celso Russomanno em São Paulo.

No Rio, ratificou a aliança iniciada em 2008 com o prefeito Eduardo Paes (PMDB), candidato à reeleição.

Ao contrário do acordo que diz ter firmado com os petistas em 2004, Jefferson afirma que as alianças atuais não envolvem financiamento: “Os cuidados hoje são muito maiores”.

Em 2005, depois de denunciar o mensalão, Jefferson disse ter recebido R$ 4 milhões do PT e foi incluído no processo por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Entre os candidatos a vereador pelo PTB, no Rio, está a filha do ex-deputado, Cristiane Brasil, de 38 anos, que deixou a prefeitura para concorrer.

Jefferson estimula a carreira da filha, mas não quer vê-la candidata à Câmara: “Lá ainda tem muita gente que me odeia.

Depois do julgamento do mensalão começará um novo momento”, justifica.

ENTREVISTA”Temo mais a sentença da biópsia do que a sentença do Supremo”Por causa da cirurgia à qual se submeterá amanhã, o ex-deputado Roberto Jefferson não poderá participar, no dia 2 de agosto, do início do julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), processo que denunciou e acabou por se tornar um dos 38 réus.

Está, porém, mais preocupado com a “sentença” sobre sua saúde do que com a sentença do Supremo.

“Não é possível me envolverem no mensalão”, diz.

Como se sente sobre a cirurgia?Fisicamente, cansado.

Emocionalmente, bem.

Hoje vivo perseguido pelas mulheres.

Tenho pesadelos com a mulher da foice e capuz, e a mulher de venda nos olhos e espada.

O senhor diz que não será condenado no mensalão.

Como sabe?Não é possível me envolverem.

Meu nome não é Demóstenes Torres (senador cassado), não tenho duas caras.

Não poderia avisar o governo “esse pessoal tá pagando voto” e fazer igual.

Mensalão é o pagamento em plenário.

Acordo de eleição é outra conversa.

E o PTB recebeu dinheiro do PT por acordo.

Por que sua defesa sustenta que o ex-presidente Lula ordenava o mensalão, se o senhor diz que ele é inocente? E sobre o ex-ministro Dirceu? Acha que será condenado?Creio na inocência porque Lula mostrou surpresa, mas não deduzo, vou até onde tenho convicção.

Sobre Dirceu, não aposto contra ninguém.

Ele me atingiu, dei o troco.

Ele me derrubou, eu o derrubei, na nossa rinha.

Quer voltar ao Congresso, quando deixar de ser inelegível?Tenho que esperar a biópsia.

Hoje tenho menos preocupação com a sentença do Supremo do que com a biópsia.

Foto: Tasso Marcelo/AE