Roberto Jefferson reafirma na Justiça que PTB não participou do mensalão

PTB Notícias 12/02/2008, 17:23


O Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, prestou depoimento nesta terça-feira (12/02) na Justiça Federal, no centro do Rio de Janeiro, no processo que apura o escândalo do mensalão.

Jefferson confirmou todas as afirmações que havia feito antes na CPI e reafirmou que o Partido Trabalhista Brasileiro nunca participou do esquema do mensalão.

“O PTB é o partido que denunciou o mensalão.

Nenhum companheiro petebista teve participação neste escândalo”, disse o Presidente do PTB ao juiz Marcello Ferreira de Souza Granado, da 7ª Vera Federal Criminal do Rio de Janeiro.

Roberto Jefferson destacou em seu depoimento que não pode colaborar mais com a Justiça neste processo por ter sido arrolado como acusado, e não como testemunha.

O Presidente do PTB reafirmou que José Dirceu liderava o suposto esquema do mensalão e preferiu não fazer comentários sobre os outros acusados, entre eles Marcos Valério e Delúbio Soares.

O presidente do PTB confirmou também que está arrolando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva como testemunha de defesa no processo.

“Preciso que ele [Lula] confirme isso.

O objetivo não é ofendê-lo, mas é uma questão de confirmar a verdade”, afirmou Jefferson, destacando que relatou tudo sobre o mensalão, antes de o escândalo se tornar público, em dois encontros que teve com o presidente.

Ao final do depoimento, o juiz Marcello Ferreira de Souza Granado ofereceu ao Presidente do PTB a possibilidade dele se valer do expediente da “delação premiada”.

Jefferson recusou peremptoriamente a oferta, dizendo que “delação premiada é coisa de vagabundo!”.

Ao final do depoimento, em conversa com jornalistas, Jefferson disse que não se arrepende de ter feito as denúncias sobre o suposto esquema.

“Entrei nisso pequeno, saio um gigante.

Não nasci parlamentar, sou essencialmente um advogado”, afirmou.

O Presidente do PTB criticou também a atual administração do presidente Lula.

“Hoje em dia, quem não tratar bem o presidente não tem obras financiadas.

Os governadores de São Paulo, de Minas Gerais e do Rio e o prefeito César Maia têm que beijar a mão do presidente para conseguir dinheiro.

Temos um presidente que, hoje, é um monarca absoluto”, disse.

Roberto Jefferson ironizou ainda as suspeitas de uso indevido dos cartões corporativos por membros do governo federal.

Ele afirmou que o mecanismo eletrônico poderia ter contribuído para pagar o mensalão.

“Se o PT tivesse distribuído os cartões corporativos na base e estabelecido aquele teto de R$ 30 mil, não teria acontecido o escândalo do mensalão.

Nós teríamos economizado um escândalo”, disse Jefferson.

Ele disse ainda que o problema envolvendo os cartões corporativos é pior do que o caso do mensalão.

“Essa transparência é pior que langerie de bordel.

Vocês vão ver que isso (o escândalo dos cartões) é muito pior que mensalão.

E, se não houver um acordão, até botox vai aparecer no cartão corporativo”.

Agência Trabalhista de Notícias