Rodrigo Valadares critica alagamentos em Aracaju e apresenta soluções para esgotamento

Agência Trabalhista de Notícias 2/04/2019, 11:06


Imagem Crédito: Jadílson Simões/Alese

O deputado Rodrigo Valadares (PTB) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa de Sergipe, na segunda-feira (1º), para apresentar soluções para o tratamento de esgoto em Aracaju. O petebista fez duras críticas às gestões do prefeito Edvaldo Nogueira e do governador Belivaldo Chagas. Ele pontuou que existem soluções modernas e com baixos custos que podem ser adotadas de imediato e criticou os alagamentos continuados em alguns pontos da capital sergipana.

“Cumprindo nosso papel de oposição propositiva, nós presenciamos constantes alagamentos em Aracaju. Ao invés de apresentar uma solução, o prefeito prefere utilizar os canais como esgoto e essa não é a função deles. Os canais servem para fazer a drenagem das águas da chuva. Aquele canal da 13 de Julho é um crime ambiental. Está poluindo o rio Sergipe e onde estão os órgãos ambientais? Tudo aquilo está sendo contaminado”, alertou.

Rodrigo disse ainda que, ao invés de resolver os problemas de alagamentos, o prefeito está no terceiro mandato e ainda insiste em enviar notas públicas alertando a sociedade para os riscos de enchentes com a alta das marés. “E o pior é que a Deso ainda cobra 80% de taxa de esgoto. Estamos apresentando uma indicação para que o governo suspenda a cobrança até que o serviço de tratamento de esgoto seja efetivamente entregue”, afirmou.

“Como a Deso está cobrando e não entrega o serviço, isso é roubo. Se eu tenho um plano de internet e o serviço não me é prestado, eu posso ir e cancelar. A taxa de esgoto deveria atender o mesmo princípio, mas você não consegue evitar a cobrança”, completou o deputado.

Soluções

Como uma de suas principais soluções, Rodrigo Valadares sugeriu que o governo de Sergipe, por meio da Deso, busque uma parceria público-privada para o tratamento do esgoto. “Isso já acontecem em cidades modernas. Onde uma empresa ganha a concorrência e recebe parte significativa da taxa de esgoto, mas tem prazo para entregar as obras. É preciso que o governador vá buscar uma parceria para o tratamento de esgoto”, destacou.

Com informações da Assembleia Legislativa de Sergipe