Rony Alves critica retomada de pagamento de promoções em Londrina (PR)

PTB Notícias 4/09/2013, 7:02


O presidente da Câmara Municipal de Londrina (PR), vereador Rony Alves (PTB), criticou arduamente, na terça-feira (3/9/2013), a decisão da 2ª Vara de Fazenda Pública em retomar o pagamento das promoções por conhecimento aos servidores.

De acordo com ele, alguns servidores apresentaram certificados não relacionados às atividades desenvolvidas pela Câmara para obter benefício, como o de um curso de manipulação de cadáver.

O posicionamento do presidente do Legislativo não agradou demais vereadores, que no fim da sessão ordinária desta tarde, afirmaram que é precisco cautela e finalização da investigação que corre dento da Câmara.

Alves chegou a imputar culpa pela chamada “Farra dos Diplomas” a antigos presidentes, sem citar quem seriam os responsáveis pelo caso.

O fato também foi contestado pelos vereadores, inclusive José Roque Neto (PR), que pediu a palavra e solicitou ao presidente da Casa acesso ao resultado do processo administrativo para que pudesse responder pelo período em que presidiu a Câmara Municipal, eleito para o cargo no biênio 2009/2010.

Já no encerramento da sessão, Rony Alves concovou todos os vereadores para uma reunião em seu gabinete, nesta quarta-feira (4), apenas informando ser de assuntos de interesse da Câmara.

Os pagamentos de servidores, que estavam retidos desde março, devem começar a ser quitados em breve.

A liminar concedida pelo juiz Emil Thomas Gonçalves, atendeu a uma ação impetrada pelo Sindicato dos Servidores Municipais de Londrina (SindServ).

A chamada Farra dos Diplomas se tornou pública durante uma investigação do Ministério Público (MP) de Londrina, que apontou que servidores usaram certificados sem ligação com a atividade na Câmara.

Os aumentos nos vencimentos poderiam ir de 2,5% a 10,38%.

Entre os certificados apresentados estavam curso de preparação para o exame da Ordem dos Advogados do Brasil, espanhol para viagens, manipulação de bebidas e preparação de cadáveres.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal O Diário.

com