Rony Alves vai pedir audiência pública antes de votar Plano Diretor

PTB Notícias 26/12/2013, 19:45


Protocoladas na última sessão de 2013 da Câmara Municipal de Londrina, as leis complementares de Uso e Ocupação do Solo e de Sistema Viário, que compõem o Plano Diretor Participativo, deverão ser novamente debatidas pela comunidade.

O presidente do Legislativo, vereador Rony Alves (PTB) afirmou que vai pedir uma audiência pública para tornar público o conteúdo das diretrizes dos documentos.

Os textos deveriam ter sido aprovados em 2008, quando havia a previsão de revisão das leis que direcionam o crescimento da cidade.

Defasados há mais de cinco anos, a intenção é que ainda no primeiro semestre de 2014 eles sejam aprovados.

Na melhor das hipóteses e se tudo correr bem, queremos aprovar no primeiro semestre”, afirmou Alves.

Mesmo tendo o município realizado um encontro com a população em agosto deste ano, o Legislativo vai promover novo debate.

O presidente da Casa declarou que dar a oportunidade dos munícipes participarem da nova discussão garante transparência ao projeto e também embasa a decisão dos vereadores.

Plano Diretor de Londrina está cinco anos defasadoAinda não há data para a audiência pública.

“Em fevereiro voltam as sessões da Câmara e o projeto vai começar a tramitar nas comissões.

A partir de então nós vamos chamar a audiência.

Essa discussão é muito importante.

Não estou dizendo que vai mudar [o texto], mas deixar tudo de uma forma mais clara”, destacou o petebista.

Um dos pontos de mais embate deve ser o que muda as leis de Uso e Ocupação de Solo, o chamado zoneamento da cidade.

Rony Alves também lembrou da necessidade de aprovar o projeto para que o documento indique soluções para ampliação das áreas industriais e de geração de empregos.

“Londrina se desenvolveu muito nos últimos anos, mas se preocupou muito com moradias.

Não há nada errado em cada um querer ter sua casa própria.

Mas temos que pensar em como vamos incentivar a vinda de indústrias para a cidade, onde elas poderão se instalar, por exemplo”, comentou.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal O Diário