Sabino Castelo Branco analisa devastação do Crack e surgimento do Óxi

PTB Notícias 18/11/2011, 14:58


O deputado federal Sabino Castelo Branco (PTB-AM) comentou no Programa Palavra Aberta, da TV Câmara, nesta última quinta- feira (17/11/2011) sobre a devastação do Crack e a nova droga Óxi no Amazonas: “Isto no nosso Estado já não é novidade, eu sou do Amazonas e vemos que o avanço é muito grande e o Governo tenta conter isso com uma velocidade bem menor.

No meu Estado principalmente é alarmante, pois faz fronteira com a Bolívia, Colômbia e Peru”, alertou o petebista.

O parlamentar enfatizou o surgimento da nova droga Óxi: ” No meu Estado a polícia já fez apreensão em locais que possuem laboratório.

É preciso destacar a facilidade com que a droga chega em Manaus é a pasta da cocaína misturada com outras substâncias.

O Óxi lá já virou uma droga normal.

Já chegou em todo o Brasil”, ressaltou o deputado.

Sabino Castelo Branco alertou para a falta de fiscalização nas fronteiras brasileiras: “Se não tivermos um combate muito eficaz, uma polícia federal preparada, nós não vamos conter isso.

Enquanto a polícia investiga o que eles trazem de avião, outros fornecem a droga por navios e canoas”, analisou.

O petebista avaliou a participação da mulher no tráfico de drogas: “Com a taxa de desemprego alarmante, as mulheres iludidas pela forma de trabalho fácil, não percebem que no final serão presas e seus filhos também entram no mundo das drogas”, refeltiu o petebista.

Sabino defendeu a prevenção como solução para o combate ás drogas: “Pode prender e até inventar penitenciária, mas se não houver uma política séria na base, quando fizermos a prevenção teremos como combater em cima onde está sendo distribuído.

Se você estancar embaixo não tem como chegar no país”, enfatizou o parlamentar.

O deputado comentou sobre uma punição maior para os traficantes: “Eu gostaria de abrir a discussão sobre a prisão perpétua, porque a certeza da impunidade gera isso.

Defendo a distinção entre usuários e traficantes.

Vítimas são os usuários que matam e roubam para usar a droga”, alertou Sabino.

Agência Trabalhista de Notícias, por Paula de Biasi