Sabino Castelo Branco pede que Governo faça investimentos na Amazônia

PTB Notícias 8/12/2007, 10:36


O Deputado Sabino Castelo Branco (PTB-AM), no Plenário da Câmara, discursou sobre as dificuldades e os anseios da população do Amazonas.

“Hoje, o Brasil e o mundo proclamam a Amazônia como pulmão do planeta e sustentam que a floresta viva é uma das garantias de vida na Terra.

Sob esses pretextos, todos, inclusive aqueles que já destruíram suas matas, querem opinar sobre a nossa floresta, à revelia dos saberes e dos quereres daqueles que mais conhecem aquela realidade e que mais sabem como preservá-la”, afirmou o Deputado petebista.

“Ninguém mais que o nosso povo sabe da importância de que exista um modelo sustentável para a região.

O Amazonas é o Estado que mais floresta conserva: são 98% da floresta em pé, intacta.

Em contrapartida, o que ele recebe do Poder Público? Onde estão as políticas que poderão construir o tão desejado desenvolvimento sustentável? Como haverão de subsistir as comunidades do interior, isoladas, dispersas, sem investimentos públicos em saúde, educação, segurança, moradia, infra-estrutura, transportes, tecnologia e, principalmente, na construção de um modelo de desenvolvimento concebido a partir dos anseios e do conhecimento milenar do povo da região? Como alijar a população da Amazônia das decisões sobre o destino da Amazônia?”, questionou Sabino Castelo Branco.

O Parlamentar ressaltou que é necessário e urgente considerar que o Amazonas apresenta peculiaridades geográficas que exigem maior assistência pública.

“Mas também é preciso ter em conta que o Estado possui extraordinários recursos naturais que, através de atividades sustentáveis, podem promover o desenvolvimento de todos os municípios, a integração e o bem-estar de toda a população.

Considerar isso é preservar a floresta”.

“Historicamente, são precários os investimentos públicos no interior, e quando eles são destinados a essa região, quase sempre são concebidos em gabinetes distantes da realidade local, razão por que seus impactos têm-se mostrado quase sempre inócuos.

Ao longo de mais de cinco séculos, o Amazonas tem sido tratado como colônia, com decisões oriundas do centro do poder federal ou estadual, sem que as comunidades interioranas sejam ouvidas, com sua indiscutível sabedoria, acerca das relações com a floresta.

A despeito do enorme patrimônio do Estado, jamais o povo amazonense foi visto como parceiro na gestão de seus recursos e, portanto, na construção de um ciclo duradouro de desenvolvimento”, disse ele.

“Assim, é preciso que o poder público faça investimentos, com uma visão de médio e longo prazo.

Como se vê, não faltam perspectivas, mas todas elas atreladas a melhores condições de educação e de produção de conhecimento, de saúde, de segurança, de transportes, de comunicação enfim, de melhores condições para a população amazonense.

Faltam, sobretudo, investimentos voltados ao desenvolvimento e integração das comunidades hoje isoladas, as maiores vítimas do processo predatório, do descaso e da ignorância”, concluiu o Parlamentar do PTB.

Agência Trabalhista de Notícias