Sancionado projeto de Arlen Santiago que garante “teste do pezinho”

PTB Notícias 4/08/2013, 13:09


Foi sancionado no dia 30 de julho pelo governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, o Projeto de Lei nº 606/2011, de autoria do deputado estadual petebista Arlen Santiago, que dispõe sobre a obrigatoriedade da realização do teste da orelhinha nos hospitais e maternidades da rede pública e privada do Estado de Minas Gerais, tornando-se a Lei nº 20.

819.

A Lei trata sobre a realização, nos hospitais públicos e privados do Estado, do exame de emissões evocadas otoacústicas e dá outras providências, isto é, os hospitais oferecerão às famílias das crianças nascidas em suas dependências a realização do exame antes da alta hospitalar, por médico otorrinolaringologista ou fonoaudiólogo, ou indicarão unidade de saúde que possa realizá-lo.

A família da criança também será orientada sobre a importância da realização do exame.

Segundo o parlamentar, trata-se de um exame simples, mas de extrema importância para o diagnóstico de doenças auditivas.

O teste é capaz de detectar se o recém-nascido tem alguma deficiência auditiva e de evitar problemas na fala e no aprendizado da criança.

O exame, popularmente conhecido como teste da orelhinha, cujo nome científico é Emissão Otoacústica Evocada – EOA, consiste na colocação de uma sonda na orelha da criança, o qual emite sons de fraca intensidade e recolhe no computador as respostas que a orelha interna do bebê produz.

É indolor, não é preciso retirar sangue do bebê, não tem contraindicações e dura cerca de 10 minutos.

O resultado sai na hora.

Havendo alguma suspeita, a criança deve ser encaminhada para avaliação otológica e audiológica completas.

Para Arlen Santiago: “o teste é imprescindível para todos os bebês.

Já existem estudos indicando que o recém-nascido que tenha diagnóstico e intervenção fonoaudiológica até os três meses de idade poderá desenvolver linguagem muito próxima à de uma criança que não apresente nenhuma alteração auditiva.

No entanto, a maioria dos diagnósticos de perda auditiva só ocorre por volta dos três anos de idade, quando já há algum prejuízo no desenvolvimento emocional”.

fonte: site do deputado Arlen Santiago (PTB-MG)