Saúde pública é tema de audiência promovida pela vereadora Rose França

PTB Notícias 19/07/2007, 12:21


Falta de leitos, de profissionais especializados, atendimento deficiente de urgência e emergência em hospitais credenciados pelo Sistema Único de Saúde – SUS – foram questões levantadas durante audiência pública realizada este mês na Câmara Municipal de Juiz de Fora.

O debate levou a vereadora Rose França (PTB/MG), autora do requerimento solicitando a reunião, a pedir mais empenho dos órgãos públicos, gestores da saúde no município.

“A saúde é o Calcanhar de Aquiles de toda administração pública”, afirmou.

Para o secretário executivo do Conselho Municipal de Saúde, Jorge Ramos, o problema é macro.

“O país passa por um achatamento do setor de saúde e se as autoridades municipais, estaduais e o Governo Federal não mudar a forma de administrar o setor, não sabemos o que faremos para resolver o problema”, disse.

A preocupação, também, é do Ouvidor de Saúde, Alamir de Souza Pinto.

Ele pontuou o problema em duas questões, a falta de leitos e vagas nos hospitais da cidade e a defasagem no valor dos recursos repassados pelo SUS.

“É preciso uma revisão nacional na tabela do Sistema Único de Saúde, para que não haja desmotivação dos prestadores de serviços”, esclareceu.

José Otávio Ferreira do Amaral, secretário de Saúde da Prefeitura, explicou que o Executivo tem procurado o diálogo entre os governos Federal e Estadual como saída para amenizar a questão da saúde em Juiz de Fora.

Ele afirmou que, um dos maiores problemas da Administração, é o grande número de pacientes, oriundos de outras localidades, que buscam o município como referência.

José Otávio informou que a Prefeitura atende a 144 cidades vizinhas e que, para cada paciente “de fora”, gasta R$ 5 mil.

“Estamos conscientes do problema e, por causa disto, sofremos diariamente a angústia de ter que escolher qual o caso que deverá ser atendido com mais urgência”, disse.

Por outro lado, o secretário foi otimista ao falar de novos projetos que a Prefeitura está desenvolvendo para superar o problema da saúde em Juiz de Fora.

“Minha equipe está remodelando todo o Pronto Socorro para que ele seja capaz de atender toda a demanda de urgência e emergência.

Além disto, estamos analisando a proposta de construir mais um Centro de Atenção Psico-Social (CAPS), para atendimento a pacientes psiquiátricos, e informatizando todo atendimento em nossas unidades”, informou.

A vereadora Rose França encerrou a reunião dizendo que a prestação dos serviços e das ações de saúde ao usuário de qualquer natureza ou condição, no município, precisa ser universal e igualitária, nos termos da Constituição da República, observando-se os dispositivos da Lei Orgânica de Juiz de Fora pertinentes ao setro.

Ela afirmou que irá continuar buscando formas de tranqüilizar o setor através de reuniões e projetos de lei.

“Precisamos, não só rever os problemas do setor, mas também apresentar mecanismos que amenizem a situação dos usuários e profissionais do Sistema Único de Saúde.

Como legisladora eu tenho esse compromisso, tentar reverter o processo degradante que vem acontecendo na saúde há muitos anos”, falou.

Agência Trabalhista de Notícias