Secretário Fábio Abreu destaca ações para enfrentar a violência no Piauí

PTB Notícias 18/12/2015, 10:10


Em matéria publicada na quarta-feira (16/12/2015), o portal GP1 abordou decisões tomadas neste ano para enfrentar os altos índices de criminalidade no Piauí, tais como foco no combate às drogas e aumento no número de operações.

Segundo o secretário estadual de Segurança Pública, Fábio Abreu (PTB), a gestão passada deixou de focar no combate às drogas, que, para ele, é um dos principais responsáveis pelos altos índices de criminalidade registrados em 2014.

“Sem dúvida o que mais gera problema na sociedade hoje e o grande originário desses problemas é a droga.

Se nós temos esse problema que é a semente de todo mal, porque não atacamos nunca essa droga? Isso foi sempre questionado, porque tivemos na história desse Estado apenas um delegado para combater no Estado inteiro em relação as drogas? É algo muito simples.

Foi falta de visão, você ter a origem do problema e não investir naquilo”, declarou.

O secretário explicou que por isso decidiu colocar mais delegados trabalhando no combate às drogas.

“Passamos de um delegado para cinco.

E ainda não é o suficiente, porque eu quero que tenhamos lá dez delegados.

A gente tem que atacar a origem do problema.

Isso é básico.

Elementar.

E não estavam fazendo isso, então a gente viu esse grande problema e atacamos.

Tanto que tivemos neste ano de 2015 talvez o maior recorde de apreensão de drogas da história do Piauí”, disse.

Segundo o delegado-geral da Polícia Civil do Piauí, Riedel Batista, as várias operações policiais realizadas no início do ano culminaram com a realização de prisões, que ajudaram a reduzir os índices de violência.

“A determinação do secretário, quando me chamou para assumir o cargo de delegado-geral, foi de fazer uma ação dentro da Polícia Civil, com bastantes operações, com bastante pedidos de busca e apreensão, com pedidos de prisões, com ações integradas, junto com a Polícia Militar, a Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Bombeiros, para que a gente focasse na diminuição desses crimes de homicídios, de roubo de veículo e de roubo.

O planejamento foi esse, a meta foi essa.

Diminuir principalmente esses índices de criminalidade.

E isso foi feito”, destacou.

Os distritos de Teresina também tiveram que melhorar os seus trabalhos.

“Foi determinado que os policiais retomassem ações de operações.

Então foi feito esse trabalho nos principais distritos da cidade.

No 1º distrito, no 8º, 11º, 12º, 7º, 22º, 5º e no 4º.

Então esses distritos começaram a pedir vários pedidos de busca e apreensão e, com isso, foram feitas prisões de elementos envolvidos com roubo e furtos nessas áreas, o que também veio a contribuir para a queda desses índices”, afirmou.

Outra ação realizada no início do ano foram as mudanças nos comandos de algumas delegacias de polícia, com o objetivo de renovar e otimizar os trabalhos.

Além disso, o delegado destacou que foram feitas estruturações nas delegacias mais importantes para que elas conseguissem realizar um trabalho melhor.

“O secretário determinou a estruturação da Delegacia de Entorpecentes para ajudar no combate a esses crimes, como mais apreensão de drogas, pois o foco principal nos [casos de] homicídios e roubos são as drogas.

Estruturou a Delegacia de Homicídios para que também fizesse um trabalho de prisão dos principais envolvidos em crimes de homicídios.

A Polinter também foi estruturada no sentido de que realizasse parcerias com a PRF para apreensão de veículos, não só no Estado do Piauí, mas no Maranhão também, e a prisão de elementos envolvidos com roubos e falsificação.

E o Greco na questão de combate no que diz respeito a estouro de caixa eletrônico”, explicou Riedel.

Para ajudar a reduzir os índices de violência, a Força Nacional chegou ao Piauí em março, para focar nas regiões com maior índice de violência.

“A Força Nacional teve um papel fundamental desde o início, tanto que, em função desse apoio, tivemos essa redução de crimes na capital”, declarou Fábio Abreu.

OrganizaçãoFábio Abreu explicou ainda que no começo do ano foi preciso organizar as ações da Secretaria de Segurança.

“Desde o início do ano de 2015, a meta está sendo organizar a casa, planejar, de forma estratégica para a gente trabalhar.

Lógico que é uma situação que não se pode parar para planejar, mas estamos planejando e em contrapartida dando prosseguimento a necessidade de melhoria na segurança pública”, destacou.

“Com relação ao fim do ano de 2014 e início de 2015 nós não tivemos uma melhoria muito significativa de recursos, o que nós fizemos foi otimizar os poucos recursos que nós conseguimos receber e o efetivo que a gente tem.

Os meios que nós tínhamos e recebemos, conseguimos remanejar, redistribuir, de forma planejada e estratégica.

Isso fez com que conseguíssemos resultados.

Tivemos alguns apoios importantes, na capital sem dúvida o apoio da Força Nacional foi importantíssimo, e até uma questão de uma nova filosofia de integração e não desunião entre os órgãos de segurança pública, e objetivo nosso é aperfeiçoar essa integração cada vez mais”, concluiu o secretário.

Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal GP1 Foto: Bárbara Rodrigues/GP1