Secretário Marcus Vinícius Neskau: ‘O silêncio é cúmplice da violência’

PTB Notícias 17/06/2013, 6:50


Em artigo publicado no jornal O Dia no domingo (16/6/2013), o secretário estadual de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida do Rio de Janeiro, Marcus Vinícius Neskau (PTB), chamou a atenção para a violência contra o idoso.

Segundo dados de pesquisa da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, só em Petrópolis, em 2011, foram registradas 752 denúncias de violência contra idosos.

Leia abaixo o artigo do secretário Marcus Vinícius na íntegra: O respeito ao idoso começa logo em casa, no ambiente familiar, e passa por todos os espaços de convivênciaQuem maltrata um idoso comete uma das mais graves violações aos direitos fundamentais do cidadão.

A violência — seja ela física, verbal ou psicológica — não só fere a dignidade da vítima, como também apaga parte de sua história.

Os abusos contra essa parcela significativa da população constituem crime e precisam ser denunciados.

Daí a importância do Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, celebrado ontem.

A data foi instituída em 2006 pela ONU como alerta mundial.

O objetivo é criar consciência social e política a respeito das agressões contra pessoas que, na maioria da vezes, não têm meios de se defender.

Como se não bastasse, a perversidade se manifesta de várias formas: castigos físicos, humilhações, abuso sexual e econômico, negligência e abandono.

Todas dignas de repúdio.

Para mudar este quadro, a palavra-chave é educação.

O respeito ao idoso começa logo em casa, no ambiente familiar, e passa por todos os espaços de convivência: nas ruas, nos ônibus, nas filas de bancos, nos guichês das repartições, nos hospitais e nas bilheterias de cinema e teatro.

Já o poder público tem o dever de fiscalizar o cumprimento do Estatuto do Idoso e criar políticas de inserção social, para que todos os direitos da terceira idade sejam garantidos.

Vale lembrar que os idosos respondem hoje por 15% da população total no Estado do Rio, de acordo com o IBGE.

A sociedade e o governo devem encarar o envelhecimento da população como um desafio para a promoção da qualidade de vida para a terceira idade.

Na outra ponta, a denúncia é arma fundamental para coibir os abusos, principalmente os domésticos.

Casos de suspeita ou confirmação da violência contra idosos precisam ser notificados pelos profissionais de saúde às autoridades.

Em um país com 14,5 milhões de habitantes acima de 60 anos — e que tem no Rio a capital do idoso —, denunciar esse tipo de agressão é ato de cidadania e de respeito ao próximo.

Afinal, o silêncio é cúmplice.

* Marcus Vinícius Neskau é secretário estadual de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida do Rio de Janeiro * Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal O Dia