Senador Fernando Collor afirma que manifestações emanam da alma do povo

PTB Notícias 15/07/2013, 16:19


As manifestações que vêm ocorrendo em todo o país foram objeto de análise do senador Fernando Collor (PTB-AL), em entrevista concedida à Rádio Gazetaweb.

“O que já era esperado está ganhando as ruas.

E a mobilização da população não vai se encerrar numa semana ou em um mês.

Ela emana da alma do povo e busca transmitir uma mensagem a todos nós, detentores de um mandato político, para que respeitemos aqueles que procuram, por exemplo, atendimento digno no serviço público, que, em Alagoas, deixa muito a desejar”, afirmou.

Collor, que desde 2007 aguarda apreciação, pelo Senado, de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), de sua autoria, que institui o parlamentarismo como sistema de governo para o Brasil, voltou a defender essa proposta, destacando que esse é o caminho para evitar que a situação chegue aonde chegou.

Para ele, o parlamentarismo permite maior aproximação entre o governo e o povo.

“A população tem se manifestado livremente nas ruas, querendo uma única coisa: Que se mude o que aí está, um presidencialismo de coalizão que traz crises constantes; um sistema obsoleto e antiquado.

O povo precisa estar no centro da tomada de decisões.

No parlamentarismo, o povo estará, sim, dentro do Congresso Nacional, de modo que diminuiríamos a distância entre o povo, que não é ouvido, e a classe política, dando vez e voz às associações e sindicatos.

“Collor já havia expressado posição, segundo a qual uma reforma política não surtirá o efeito desejado se não for acompanhada de uma autêntica reforma administrativa nos três níveis dos poderes, particularmente no âmbito do Executivo, e em todos os entes da Federação, a começar pela redução de ministérios, órgãos públicos e cargos comissionados.

“É preciso que se reflita sobre o momento pelo qual passamos, compreendendo que estas demandas não podem seguir sem respostas”, destacou o senador.

Boas notíciasCollor também avaliou o anúncio efetuado pela presidente Dilma Rousseff de autorizar a liberação de R$ 3 bilhões para os municípios brasileiros.

Ele já havia anunciado essa intenção do governo federal, em Arapiraca, em maio passado, durante a entrega de equipamentos agrários para 64 municípios alagoanos.

“Já havíamos adiantado que ela anunciaria medidas compensatórias, para atenuar o enorme sofrimento pelo qual passam os administradores municipais, já que a maioria deles sofre com redução na arrecadação, além de terem encontrado prefeituras ‘quebradas’ do ponto de vista financeiro.

Isso demonstra que o governo federal está empenhado em minimizar os problemas enfrentados pelos prefeitos.

A medida não resolve o problema.

Porém, peço-lhes que entendam a medida como um gesto de preocupação para com a situação por eles vivenciada”, concluiu o senador.

Agência Trabalhista de Notícias (NM), com informações do site Gazeta webFoto: Marcos Oliveira/Agência Senado