Senador Mozarildo Cavalcanti faz duras críticas ao governo de Roraima

PTB Notícias 30/09/2013, 18:06


Em pronunciamento nesta segunda-feira (30/9/2013), o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) fez duras críticas ao governo de Roraima, o qual considera uma “oligarquia” formada por poucas famílias que comandariam um esquema de corrupção e o “desinteresse pelas causas públicas”.

O parlamentar informou que pedirá uma ação efetiva do Ministério Público Federal, principalmente pelo que classificou de “endividamento absurdo” do estado.

“É pena que o meu estado tenha se transformado apenas num lugar para enriquecer não só ao governador como a um grupo que está ao redor dele”, disse.

José de Anchieta Júnior (PSDB) assumiu o governo de Roraima em 2007.

Foi reeleito em 2010 e teve seu mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), porém se manteve no cargo por liminar do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O senador lamentou que depois de várias conquistas, como a transformação do território em estado – com a promulgação da Constituição, em 1988 – e a implantação de um polo universitário na capital, Boa Vista, o governo atual seja negligente com os ensinos fundamental e médio, sem melhoria dos salários dos professores e das escolas, especialmente as do interior.

Mozarildo também apontou problemas de infraestrutura nas estradas vicinais, rodovias e pontes do estado, situação que chamou de “caos total”.

Ele acrescentou ainda que o agronegócio na região estaria envolvido em um “jogo de corrupção” que afasta os investidores e prejudica os assentados nas áreas rurais.

O senador lembrou que restam poucas terras para o desenvolvimento da agricultura e pecuária, uma vez que 57% delas pertencem às áreas indígenas e mais de 20% são reservas ecológicas.

“Isso realmente tem causado uma estagnação e um retrocesso no meu estado.

Eu fico triste de ver que trabalhei tanto para criar o nosso estado e ver hoje ele nas mãos de um governador que não tem nenhum compromisso com Roraima”, afirmou.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Agência SenadoFoto: Waldemir Barreto/Agência Senado