Senador Mozarildo Cavalcanti pede diálogo do governo com os médicos

PTB Notícias 1/08/2013, 19:32


Em discurso no plenário, nesta quinta-feira (1/8/2013), o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) fez um apelo para que o governo federal estabeleça um diálogo com a sociedade sobre questões como saúde e educação.

O senador disse que é preciso ouvir os médicos na tentativa de melhorar a saúde no país, acrescentando que a ausência de profissionais, principalmente em regiões mais carentes, não é o único problema da saúde no Brasil.

Ele lembrou que o governo é responsável pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e pela gestão da saúde pública, o que inclui a alocação dos profissionais da área.

Mozarildo registrou que o governo recuou da ideia de aumentar em dois anos o tempo de duração do curso de medicina – com prestação de serviço nas unidades públicas de saúde.

O senador, que é médico, disse que considera o primeiro dos dois anos propostos como válido, já que o residente iria atuar em saúde básica.

Ele criticou um possível segundo ano, alertando que o SUS não tem estrutura para uma boa residência médica em áreas específicas como ginecologia e pediataria.

Ele ainda pediu que o Senado vote todas as propostas que tratem da saúde pública e cobrou do governo um diagnóstico completo da situação da saúde no Brasil, incluindo questões como estrutura, gestão e combate à corrupção.

“Há tempo para consertar, desde que se faça o diagnóstico correto e que se apliquem as medidas necessárias”, afirmou.

PapaO senador classificou como uma boa coincidência o fato de o papa Francisco ter visitado o Brasil depois da onda de protestos populares, no último mês de junho.

Mozarildo lembrou que o papa disse em seus discursos que é preciso ouvir os jovens e entender a rebeldia da juventude.

O senador registrou que as manifestações eram compostas principalmente por jovens, que pediam “saúde e educação no padrão Fifa” – em alusão à qualidade exigida pela entidade mundial do futebol para os estádios da Copa do Mundo.

Como o papa alertou para a importância de ouvir os jovens, Mozarildo disse que o governo precisa ouvir aqueles que estão envolvidos nos setores que o governo quer melhorar.

Em aparte, o senador José Agripino (DEM-RN) disse que o discurso do colega segue no mesmo sentido da opinião das entidades médicas.

Agripino disse que os dois anos a mais propostos pelo governo poderiam acabar com os especialistas e criar uma geração de médicos “práticos”.

Agência Trabalhista de Notícias (NM), com informações da Agência SenadoFoto: Waldemir Barreto/Agência Senado