Senador quer diagnóstico mais profundo sobre médicos e estrutura da saúde

PTB Notícias 23/08/2013, 17:35


O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) disse nesta sexta-feira (23/8/2013) esperar que o Congresso Nacional faça um diagnóstico mais profundo sobre o problema da saúde brasileira ao analisar a medida provisória do programa Mais Médicos (MP 621/2013).

Para ele, que já exerceu a Medicina e é relator-revisor da medida provisória, o problema da saúde no Brasil passa primeiro pela falta de estrutura e equipamentos nas cidades.

“Após essas manifestações surge essa ideia de que a saúde não vai bem porque falta médico.

É uma realidade, mas não é a primeira realidade.

A primeira realidade é a falta de estrutura nos municípios para que sequer o médico atenda o que chamamos de atenção básica”, afirmou em discurso no plenário.

Mozarildo disse que não tem xenofobia contra médicos do exterior e lembrou que Roraima pode ter sido o estado pioneiro na contratação de médicos estrangeiros em 1997.

“No governo do ex-governador Nildo Campos, nós usamos, talvez tenhamos sido os pioneiros, este expediente: nós fizemos um contrato com a Universidade de Roraima para trazer professores, todos com doutorado, para fazer funcionar o curso de Medicina.

E também fizemos um convênio entre o governo do estado e o governo de Cuba, por meio do seu Ministério da Saúde, para levar médicos para lá”, contou o parlamentar.

O senador se comprometeu a fazer um diagnóstico completo da questão da saúde como revisor da MP do Mais Médicos.

“Eu estou debruçado sobre essa questão do Programa Mais Médicos, tenho ouvido muitos especialistas tanto da área médica quanto de outras áreas de saúde, e espero que a gente construa uma solução definitiva para esse problema”, afirmou.

Dia do SoldadoO senador também homenageou os militares brasileiros pelo Dia do Soldado, celebrado em 25 de agosto, dia em que nasceu o marechal Luiz Alves de Lima e Silva, conhecido como Duque de Caxias.

Mozarildo leu um artigo do jornal Folha de Boa Vista, homenageando os militares pela presença permanente em todos os estados e fronteiras do país.

O texto dizia que o soldado, por vocação, é despojado de si mesmo e tem o íntimo desejo de servir a nação.

O senador lembrou ainda que o primeiro governador de Roraima, quando ainda era território federal, foi um militar, o tenente Ene Garcez dos Reis, da equipe de segurança do então presidente da República, Getúlio Vargas.

Quando assumiu o governo do território do Rio Branco, como era chamado o atual estado de Roraima, Reis contratou um arquiteto para planejar a capital Boa Vista.

Mozarildo ainda informou que um projeto de sua autoria, que cria o Colégio Militar em Boa Vista, está evoluindo na Câmara dos Deputados e deve ser aprovado em breve.

O colégio é federal e não é destinado apenas a filhos de militares, mas a toda a população civil.

“Com a ida do Colégio Militar, entendo que a gente vai ter, em Roraima, as condições de que todos possam ter escola de boa qualidade”, afirmou Mozarildo Cavalcanti.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Agência SenadoFoto: José Cruz/Agência Senado