“Serei sempre um aliado leal”, afirma o senador Armando Monteiro

PTB Notícias 29/06/2011, 17:51


Senador Armando Monteiro (PTB-PE) fala ao radialista Geraldo Freire, no programa Super Manhã, da Rádio Jornal, sobre a relação de companheirismo e contribuição do PTB ao Governo Eduardo Campos.

Geraldo Freire – Dr.

Armando, nós tivemos o feriadão, São João, toda a festa, um pouco antes da festa, durante os eventos, aqui e ali, o pessoal dava uma beliscadinha sobre um desentendimento entre o sr.

e o governador Eduardo Campos, alguns até admitindo que, a partir daí, se abre espaço para um rompimento.

Isso faz sentido? Armando Monteiro – Isto não faz nenhum sentido, porque este episódio da PEC da Assembleia nunca foi colocado, nem assumido, como uma posição do governo.

Nós nunca tivemos pactuado nesta ampla aliança nenhum tipo de compromisso em relação a este tema.

Este é um tema que surgiu.

Nós tivemos um entendimento que foi divergente de outros partidos da base, expressamos esta posição desde a primeira hora e, de maneira coerente, sustentamos esta posição até o final, por entender que não se pode ficar mudando a constituição do Estado ao sabor de certas conveniências ocasionais.

É a terceira vez que se muda esta regra em função de certos interesses relacionados com a manutenção de grupos na mesa da Assembleia.

Eu acho que isto depõe contra o próprio poder.

Nunca foi um compromisso que tivesse colocado, ou escrito, como um compromisso da aliança.

Portanto isto não poderia ensejar nenhum rompimento.

Sou um aliado de primeira hora, fui eleito por este conjunto de forças, temos compromissos com Pernambuco e estes compromissos se colocam muito acima desta questão, que é, ao meu ver, uma questão menor.

Acho que esse episódio está ultrapassado.

Nós temos agora que olhar para a frente.

A Assembleia decidiu por ampla maioria, portanto os integrantes do poder legislativo estadual entenderam que deveriam promover mais esta alteração na Constituição do Estado.

Mas este episódio agora está superado e nós vamos seguir com as responsabilidades que temos lá no Senado, ajudando Pernambuco e integrados a este conjunto de forças.

Portanto não há nenhum fundamento nestas especulações que apontavam para a possibilidade de um rompimento nosso.

Geraldo Freire – Agora, se essa questão, mesmo menor, senador, desagradar ou desagrada o governador, o que é que você diz a ele? Um aliado não é um subordinado.

Minha relação é de companheirismo, não é uma relação subalterna.

Portanto um aliado pode discordar.

Em qualquer convivência há espaço para divergências, desde que ela se dê nos limites do respeito e da observância de certos compromissos.

Portanto, eu serei sempre um aliado leal, mas isto não significa que não possa ter discordâncias e que não possa eventualmente divergir.

Agência Trabalhista de Notícias (IS) com Informações do Portal de Senador Armando Monteiro