Sérgio Moraes assume na Câmara defendendo produtores de fumo

PTB Notícias 2/02/2007, 14:22


Foi uma solenidade praticamente familiar.

Ex-prefeito de Santa Cruz do Sul e ex-deputado estadual, Sérgio Moraes tomou posse ontem como deputado federal, assumindo a cadeira ocupada desde 2003 pela sua mulher, Kelly Moraes, que na quarta-feira assumiu vaga na Assembléia Legislativa.

“Foi uma cerimônia muito tranqüila e mais simples que a de quarta-feira na Assembléia”, avaliou Moares, quando se preparava para a primeira missão na Câmara dos Deputados: votar na eleição para a presidência da casa.

Esbanjando bom humor, o deputado federal mais votado do PTB no Estado – foram 86.

229 votos em outubro do ano passado – adiantou que dedicará as primeiras semanas da legislatura para observar e ouvir os mais experientes.

“Tenho que aprender tudo por aqui.

Vi que muitos novatos estavam curiosos hoje, nervosos.

Com o tempo aprendi que isso não adianta.

Tanto que desde a eleição hoje é a primeira vez que venho à Câmara.

Entrei às 9h40″, disse o santa-cruzense, antecipando que votaria em Arlindo Chinaglia (PT) por entender que, durante a gestão de Aldo Rebelo (PCdoB), “a Câmara foi comandada pela imprensa”.

Moraes entende que no último ano a casa não teve poder.

“Os bons deputados foram acuados pela imprensa nacional sem ter um presidente que os defendesse”, atirou, dizendo que o resultado disso foi a péssima imagem que a opinião pública ficou dos deputados federais.

“Botam na cabeça das pessoas que um deputado ganha R$ 100 mil por mês.

Nos últimos anos tive problemas em casa com a Kelly, que aparecia com R$ 8 mil”, brincou.

Questionado sobre a possibilidade de os parlamentares terem os salários equiparados aos dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) – hoje eles recebem R$ 12.

847,20 e com uma possível mudança passariam a R$ 22 mil por mês -, o ex-prefeito defendeu que o aumento é necessário.

“Sempre disse que político tem que ganhar bem até mesmo para não fazer bobagem.

Errado é sair por aí dizendo que é contra o aumento de salário e, quando ele sai, botar o dinheiro no bolso.

O deputado tem que assumir o que pensa.

Se é contra o aumento, tem que devolver a diferença que vem a mais”, opinou o petebista.

FUMO Sérgio Moraes disse nesta quinta-feira que sua atuação na Câmara será de acordo com os interesses do Estado e de seu eleitorado, e não simplesmente de situação ou oposição ao governo Lula.

Adiantou que trabalhará pelo bem-estar da população, com destaque às áreas da saúde, do trabalho e produção de fumo.

“Praticamente todos os hospitais da região estão quebrados.

Alguma coisa precisa ser feita”.

Sérgio Moraes falou ainda que pretende apresentar nos próximos meses, juntamente com o senador Sérgio Zambiasi (PTB), um projeto de lei prevendo a criação de uma contribuição sobre o cigarro, cujo valor arrecadado serviria para financiar pesquisas ligadas ao câncer de pulmão e melhorar os ganhos dos fumicultores e dos trabalhadores das indústrias.

fonte: Jornal Gazeta do Sul (RS)