Sérgio Moraes critica parcialidade nas campanhas antitabagistas

PTB Notícias 5/06/2017, 8:19


Imagem Crédito: Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados

[vc_row][vc_column][vc_column_text css=”.vc_custom_1496687592780{margin-bottom: 0px !important;}”]Na última semana, quando foi celebrado o Dia Mundial de Combate ao Tabagismo, em 31 de maio, o deputado Sérgio Moraes (PTB-RS) ressaltou que as campanhas contra o cigarro não mostram os dois lados da cadeia de produção do tabaco, esquecendo dos produtores que dependem desse cultivo como meio de subsistência.

“Sou totalmente a favor da campanha contra o tabaco, desde que me digam como vão sobreviver as 200 mil famílias no Brasil que vivem plantando tabaco em propriedades de três hectares. São pequenos produtores, é necessário dar a eles uma vida digna”, destacou.

Produção controversa

A produção do tabaco gera polêmicas devido a seu produto final, o cigarro, que há décadas é visto por entidades de saúde como causa de doenças.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta produtores de tabaco a migrarem para outras culturas. Entretanto, existe certa relutância nessa migração, pois o tabaco rende mais por hectare que outros produtos, como o milho, além de ser um produto mais estável para plantio.

“O Paraguai manda para o Brasil, de forma clandestina, mais de 30% de todo o cigarro consumido no país. Então, não adianta pararmos com a nossa produção, porque o povo vai continuar fumando do mesmo jeito: não importa se o Brasil produz ou não produz tabaco”, ressaltou Sérgio Moraes.

Atualmente o Brasil perde somente para a China em nível de produção de tabaco, mas continua sendo o maior exportador desde 1993. A indústria tabagista no país dá origem a 40 mil empregos diretos e envolve cerca de 154 mil pequenos agricultores, segundo dados do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco).

Com informações da assessoria da Liderança do PTB na Câmara dos Deputados[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]