Sérgio Zambiasi participa da instalação do Parlamento do Mercosul

PTB Notícias 8/05/2007, 8:03


O Parlamento do Mercosul já está em pleno funcionamento.

Tomaram posse nesta segunda-feira (7), em Montevidéu, os 81 deputados e senadores indicados pelos cinco países que compõem o bloco – Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela.

Um desses parlamentares que tomaram posse foi o senador Sérgio Zambiasi, do PTB do Rio Grande do Sul.

Pela manhã, durante uma reunião preparatória, a delegação brasileira havia decidido apoiar uma candidatura uruguaia para a presidência do parlamento.

O presidente da delegação, senador Sérgio Zambiasi, defendeu o apoio a um candidato uruguaio ao lembrar que o novo órgão está em fase de instalação e que a sede do parlamento será em Montevidéu.

Como neste primeiro semestre o Paraguai exerceria a presidência pro tempore da Comissão Parlamentar Conjunta do Mercosul, agora substituída pelo parlamento, Zambiasi considerou justa a reivindicação paraguaia de pelo menos comandar o novo órgão até o final de junho.

Em seguida, então, assumiria o presidente uruguaio.

Com iso, foi eleito presidente o senador paraguaio Alfonso González Núñez, que já exercia interinamente a presidência após a realização, em dezembro, da sessão especial de constituição do novo parlamento, em Brasília.

O senador Sérgio Zambiasi classificou a instalação do novo organismo nesta segunda-feira (7/5), em Montevidéo, a mais importante iniciativa dos últimos anos no sentido da integração latino-americana.

Para Zambiasi, que até dezembro presidiu a comissão que coordenou a instalação do Parlamento, à medida em que o Legislativo se instalar e começar a atuar, haverá condições reais de integração entre os países membros.

“Assim como ocorreu no Parlamento Europeu, que começou com 2 países e hoje conta com 27, o novo organismo crescerá e se firmará através do processo de adesão e de ações como esta”, ressaltou.

De acordo com o senador, o impasse na Bolívia com relação ao petróleo não prejudicará a sua implantação, apenas aumentará a responsabilidade.

“Sem o Parlamento, este problema estaria mais grave.

Por meio dele, temos a capacidade de diálogo através das comissões e da presença no local dos fatos.

Com esta interlocução, poderemos buscar soluções”, afirmou.

Ele disse que o Parlamento não tem a capacidade legal de interferir, pois a Bolívia ainda não é membro pleno, porém assegurou que o tema estará no plenário do Senado, assim como será uma das pautas no Uruguai.

Zambiasi lembrou que provavelmente hoje, no mesmo dia em que ocorre a instalação do Parlamento, haverá a abertura de uma fábrica de celulose no Uruguai.

“É um fato emblemático, porque de alguma maneira tensiona algo com os argentinos e, ao mesmo tempo, alegra os uruguaios”, sustentou.

O senador declarou ainda que foram debatidas outras questões como o convite feito pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao ex-secretário de imprensa e porta-voz André Singer para que ele seja um dos idealizadores da Universidade do Mercosul.

“Esta iniciativa mostra que as coisas estão andando em termos da busca pela integração latino-americana”, concluiu Zambiasi.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações do site do Senador Sérgio Zambiasi)