Sobrinho cobra do Governo gás da Bolívia para termelétrica de Cuiabá

PTB Notícias 4/12/2009, 16:57


O senador Osvaldo Sobrinho (PTB-MT) voltou à tribuna nessa sexta-feira, 04/12, um dia depois da primeira manifestação, para cobrar do governo ações que garantam a retomada do fornecimento de gás natural à Usina Termelétrica Governador Mário Covas.

A entrega de gás foi interrompida desde agosto de 2007, o que resultou na paralisação de sua produção de energia.

Como assumiu compromissos acima de sua capacidade de produção, para fornecer gás à Argentina e manter acordo com a própria Petrobras, conforme o senador, a estatal boliviana do setor de gás e petróleo acabou optando pelo descumprimento do contrato com a termelétrica de Cuiabá.

– O Mato Grosso exige que se cumpra o compromisso com o estado.

Se sabiam que não tinham gás para oferecer quando fizeram novos convênios, por que fizeram? Há que ter alguma regra de controle dessas coisas – criticou.

Osvaldo Sobrinho cobrou uma atitude mais enérgica do Itamaraty para evitar que a Região Centro-Oeste continue sendo prejudicada pela decisão unilateral da Bolívia em cortar o fornecimento à Pantanal Energia, empresa que opera o complexo formado pela usina e, do lado brasileiro, o gasoduto que transporta o insumo.

Depois de afirmar que “o Itamaraty é um órgão operativo”, ele desafiou a área diplomática a buscar uma solução para o caso.

– A melhor diplomacia do mundo sempre foi a do Brasil; sempre foi a da paz, da concórdia, da busca de soluções.

Que [o governo] entre em contato com o país vizinho, para que possa cumprir o contrato com o Brasil, e, principalmente, com Mato Grosso, caso contrário será mais uma vez o Brasil acocorando-se – afirmou.

Antes, o senador lembrou a invasão das instalações da Petrobras na Bolívia, em 2006, após a decisão do presidente boliviano, Evo Morales, de estatizar todas as operações de gás e petróleo.

Depois disso, como lembrou, o governo brasileiro fez uma série de concessões ao país vizinho, inclusive aceitando pagar um preço quase 300% maior pelo fornecimento de gás à Petrobras.

GarantiasMesmo com estabelecendo uma redução de 50% da cota global de gás que a estatal boliviana (YPFB) se obrigava a fornecer ao Brasil, o acordo firmado em 2007 com os bolivianos previa a garantia mínima de atendimento, projetada em 1,1 milhão de metros cúbicos por dia até o fim de 2009 e de até 2,2 milhões até 2019.

Em relação ao Brasil, a usina de Cuiabá estaria entre as prioridades de abastecimento, ao lado da Petrobras.

– A Bolívia descumpriu sistematicamente este contrato, tanto no que se refere à garantia de fornecimento de gás quanto à prioridade de fornecimento – acusou.

O senador relembrou que o Projeto Integrado Cuiabá foi concebido em 1996, quando Mato Grosso apresentava déficit de energia elétrica.

A Pantanal Energia venceu a licitação para a implantação do empreendimento, em que foram investidos, como informou, cerca de R$ 1,5 bilhão.

Até então, o projeto é o maior investimento privado na história do estado.

O sistema foi idealizado para suprir a usina térmica de Cuiabá e, ainda, a outros consumidores de gás do estado.

O gasoduto pode transportar até 2,8 milhões de metros cúbicos de gás por dia (sem compressão) e chegou a direcionar até 2,2 milhões de metros cúbicos diários.

Segundo Oswaldo Sobrinho, a termelétrica é um ativo estratégico do sistema elétrico brasileiro – o chamado Sistema Interligado Nacional (SIN) – por reforçar e tornar mais segura suas operações, diante do crescimento econômico estadual e nacional.

Por isso, observou, não pode continuar parado, sob o risco de vir a sucatear.

– Com a térmica em operação, é possível garantir a qualquer investidor que em Mato Grosso não faltará energia – justificou.

Fonte: Agência Senado