Sodré Santoro lamenta números ‘alarmantes’ do crack no país

PTB Notícias 4/04/2013, 18:09


O senador Sodré Santoro (PTB-RR) lamentou em plenário, nesta quinta-feira (4/4/2013), os números “alarmantes” de dependentes de crack espalhados pelo país.

De acordo com pesquisa realizada pela Universidade Federal de São Paulo, de 2,3 milhões de pessoas que experimentaram a droga no último ano, 442 mil são crianças e adolescentes.

Santoro ressaltou a precária rede de atendimento, acolhimento e tratamento dos dependentes de crack no Brasil.

“Em todo o país, são apenas 310 centros de atenção psicossocial especializados na questão das drogas e do alcoolismo, além de 59 unidades de acolhimento e 4.

240 leitos em hospitais.

Diante do tamanho e da amplitude do problema, os especialistas são unânimes em afirmar que ainda precisamos ampliar, significativamente, o espectro e o alcance das políticas públicas voltadas para a questão”, afirmou.

O senador petebista comemorou, no entanto, o anúncio da ampliação do programa “Crack, é Possível Vencer”, lançado pelo governo federal em 2011, que vai passar a atender também cidades com menos de 200 mil habitantes.

“Precisamos trabalhar fortemente na sua prevenção.

Há a necessidade de capacitar às pessoas que lidam diretamente com os jovens e usuários nas comunidades, como assistentes sociais, profissionais da saúde e lideranças locais e religiosas”, disse o senador.

Santoro lembrou que, além do aumento no número de leitos e vagas nos centros de recuperação clinica e hospitalar, também é necessário melhorar o combate policial e investigativo ao tráfico, que deve ser “duro e implacável”.

Sistema de informaçõesO senador também registrou a adoção pelo governo de Roraima do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e Sobre Drogas (Sinesp).

A informatização, de acordo com a secretária estadual de Segurança, permitirá o melhor aproveitamento dos recursos existentes, além de tornar as polícias mais eficientes no combate ao crime, especialmente o tráfico de drogas e a violência.

“É obrigação moral e institucional de todo homem público, seja ele de qualquer esfera governamental ou de Poder, lutar com todas as forças possíveis para derrotar este poderoso e destrutível inimigo, sempre à espreita de nossos jovens em cada esquina, em cada praça pública”, concluiu.

Agência Trabalhista de Notícias (NM), com informações da Agência SenadoFoto: Waldemir Barreto/Agência Senado