Sperotto e Ana Amélia buscam solução para segunda Ponte do Guaíba

PTB Notícias 6/05/2011, 16:12


O vice-presidente da Assembleia gaúcha e coordenador da Frente Parlamentar Pró-Ponte do Guaíba, deputado José Sperotto (PTB), e a senadora Ana Amélia (PP) consideraram positivo o resultado das duas reuniões para buscar uma solução para construção da segunda Ponte do Guaíba.

Os encontros foram realizados nesta quinta-feira (5), em Brasília, na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

A primeira reunião foi com o diretor da ANTT, Bernardo Figueiredo, que examinou a possibilidade da renovação da concessão à iniciativa privada para que a concessionária responsável assuma o projeto e a execução das obras, cujo prazo é estimado em dois anos e meio e o valor considerado inferior ao que seria gasto pelo governo federal.

A possibilidade, que poderia facilitar a execução da obra, será levada à presidente da República, Dilma Roussef, pelo ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, e pela ministra do Planejamento, Míriam Belchior, para que seja analisada.

Já no DNIT, o diretor Hideraldo Caron confirmou aos parlamentares gaúchos que o Estudo de Viabilidade Técnica Ambiental está concluído e será divulgado nas próximas semanas.

Para junho, informou Caron, será lançado o edital de licitação para a obra, avaliada em R$ 800 milhões, prevendo a construção de duas pistas.

“As informações que recebemos são extremamente relevantes para o Rio Grande do Sul.

Caberá agora uma decisão política dos ministros, que levarão o assunto à presidente Dilma, que sabe da necessidade desse importante projeto”, avaliou a senadora Ana Amélia.

Desde 2005, o deputado Sperotto vem mostrando os problemas relacionados a cinquentenária ponte Getúlio Vargas, localizada na BR-116, sobre o Rio Guaíba.

“Não podemos perder tempo.

A atual travessia está comprometida.

A qualquer momento parte do Rio Grande do Sul vai ficar isolado”, afirma Sperotto.

Para o líder da Frente não é só a questão da Copa do Mundo de 2014, o Estado precisa crescer e a Metade Sul não pode ficar refém da ponte.

Se o vão móvel estragar o caos será instalado no Sul e também no trânsito de Porto Alegre, criando engarrafamentos quilométricos.

Agência Trabalhista de Notícias, (IS) com Informações do Governo do Rio Grande do Sul