STF autoriza Roberto Jefferson a cumprir resto da pena em casa

PTB Notícias 16/05/2015, 16:43


O presidente de honra do PTB, o ex-deputado Roberto Jefferson, deixou neste sábado (16/5/2015) a Casa do Albergado Francisco Spargoli Rocha, em Niterói (RJ).

O líder trabalhista foi autorizado pelo ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), a cumprir o restante da pena em regime aberto.

Roberto Jefferson saiu da unidade prisional acompanhado dos advogados, da companheira Ana Lúcia Novaes e da filha Cristiane Brasil, presidente nacional do PTB e deputada pelo Rio de Janeiro.

Na saída, Jefferson falou à imprensa.

Confira abaixo a entrevista:Saída da prisãoEu não posso falar muito, tem a vedação do ministro Barroso.

Vou respeitar.

Mas estou bem, graças a Deus, de volta para casa.

Pena Está pago.

Está paga a pena.

Ainda tem um tempo para cumprir.

SaúdeEstá bem.

Estou em paz.

Agora vou poder cuidar melhor, se Deus quiser.

PolíticaA política quem fala é a Cris.

Já passei para ela.

Chega.

CasamentoSe Deus quiser.

Agora no final do mês.

Operação Lava JatoSe eu disser isso, o Barroso me prende.

Eu não posso falar, meu irmão.

Está aqui [pressionando a sua própria garganta], mas eu não posso falar, está bem meu irmão?RestriçõesEu não posso sair de casa, chegar até as 20h, manter minha atividade laboral, comparecer uma vez por mês à Vara de Execuções Penais.

É sim [tranquilo cumprir as restrições].

Tem que respeitar a decisão judicial.

Ela será cumprida.

Rotina de trabalhoA minha rotina de trabalho continuará a mesma.

De segunda a sexta, trabalhando no escritório do doutor Roberto Vitagliano.

Hoje sou auxiliar de escritório, mas quero ver se começo a advogar um pouquinho, se eu posso avançar como consultor.

Colocar na prática o que eu sei fazer.

Primeira coisa que irá fazer em liberdadeNamorar muito.

Eu adoro, eu vou namorar muito.

SaúdeEstá bem, graças a Deus.

Eu passei oito infecções intestinais aqui porque como eu tirei tudo, eu só fiquei com o intestino grosso e sobrecarreguei o intestino grosso.

Eu não tenho mais o estômago, tenho um pedacinho, mas não tenho mais intestino delgado, eu não tenho duodeno, não tenho vesícula, tive que tirar um terço do rim, tirei metade do pâncreas, ficou tudo no intestino grosso, e eu tenho padecido com isso um pouco.

Mas recebi aqui da Seap, da unidade prisional, total apoio para cuidar da minha saúde.

Eu não tenho o que falar.

PrisãoNão há prisão que seja boa.

Mas tirei com toda serenidade.

Fiquei 14 meses preso.

Nunca vi ninguém aqui [no instituto penal] não ser tratado assim [com respeito].

Evoluí, melhorei, estou melhor do que ontem.

Tive tempo de ler, conhecer o sofrimento das pessoas que passam por isso.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações do G1Foto: Mariucha Machado/G1