Tavinho Santos propõe audiência para debater vacinação contra HPV

PTB Notícias 29/05/2009, 8:02


Uma audiência pública na Câmara Legislativa de João Pessoa vai debater o cumprimento da lei municipal 11.

382/2008, que cria no âmbito da Prefeitura o programa de vacinação gratuita contra o vírus HPV (Papiloma Vírus Humano), tendo como público-alvo meninas e mulheres de nove a 26 anos.

A iniciativa é do vereador Tavinho Santos (PTB), líder da bancada governista no Legislativo pessoense, que está definindo a data da audiência para encaminhar o requerimento à mesa diretora da Casa ainda esta semana.

A lei 11.

382 é de autoria do próprio Tavinho Santos, aprovada pela Câmara da Capital em 2007 e sancionada pelo prefeito Ricardo Coutinho (PSB) em 16 de janeiro de 2008.

De acordo com o artigo 3º da lei, a execução e a fiscalização do programa de vacinação anti-HPV está a cargo da Secretaria Municipal da Saúde (SMS).

“Além de discutirmos o cumprimento da lei e a sua aplicabilidade, precisamos fazer uma ampla campanha junto aos órgãos municipais para que a população tome conhecimento da vacinação gratuita contra o HPV.

Com isso, vamos evitar um número considerável de mulheres que padecem de doenças como o câncer do colo do útero.

Vamos salvar vidas”, aponta Tavinho Santos.

A secretária municipal da Saúde, Roseana Meira, será convidada para participar da audiência, que contará ainda com as presenças da secretária da Educação e Cultura (Sedec), Ariane Sá; do secretário do Desenvolvimento Social (Sedes), Edmílson Soares; da coordenadora de Políticas Públicas para as Mulheres (CPPM), Douraci Vieira; de representantes de laboratórios de pesquisas e de fabricação da vacina; além de especialistas na área da saúde da mulher, a exemplo do médico ginecologista e obstetra Felipe Lorenzato, com especialização em oncologia ginecológica.

O HPV é um vírus sexualmente transmissível, causa lesões de pele ou mucosa e é um dos principais responsáveis pelo câncer de colo uterino.

As variações desse vírus (os mais comuns são o HPV 16, o HPV 18, o HPV 31 e o HPV 45) são responsáveis pela morte de aproximadamente 230 mil mulheres por ano em todo o mundo.

O câncer de colo do útero quase sempre é provocado pelo HPV, chegando a um percentual de 95%.

É o terceiro tipo de câncer mais comum do país, ficando atrás apenas do câncer de pele e do câncer de mama.

No mundo, atinge cerca de 470 mil mulheres e causa o óbito de 230 mil por ano.

O HPV é transmitido principalmente pela relação sexual, podendo ocorrer também através do contato independente da consumação do ato.

O importante é que a vacina, além de prevenir o câncer do colo do útero, também tem ação profilática nos pré-cânceres vulvares e vaginais causados pelo HPV tipos 16 e 18 e nas lesões pré-cancerosas vaginais e vulvares de baixo grau e nas verrugas genitais causadas por HPV tipos 6, 11,16 e 18.

Nas clínicas particulares, cada dose da vacina pode chegar a R$ 350,00.

Em João Pessoa, ela custa em média R$ 270,00.

“Um valor muito distante do poder aquisitivo de grande parte de nossa população feminina.

Por isso a necessidade da gratuidade por parte do poder público”, justifica Tavinho, lembrando que a Prefeitura, com recursos federais e através do SUS, pode adquirir a vacina em grande quantidade, fazendo baratear o preço das vacinas.

De acordo com a recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a vacina anti-HPV deve ser aplicada em três doses, sendo a segunda dois meses após a primeira e a terceira seis meses após a primeira.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações do Portal Paraíba .

com .

br