Teresina: Paulo Roberto quer audiência para discutir paralisação de obras

PTB Notícias 12/05/2015, 11:26


O vereador Paulo Roberto da Iluminação (PTB) repudiou, na quinta-feira (7/5/2015), a paralisação de obras nos bairros Frei Damião e Alto da Ressurreição, localizados na zona Sudeste de Teresina (PI), e anunciou que pretende convocar uma audiência pública para discutir o problema na Câmara Municipal.

O projeto de reurbanização dos bairros prevê a construção de mais de cem ruas, a regularização fundiária para quatro mil famílias e, ainda, a construção de casas e duas escolas na região.

Segundo o parlamentar, além da zona Sudeste, nas demais regiões da capital piauiense há obras que foram iniciadas pelo ex-prefeito Elmano Férrer (PTB) e hoje encontram-se abandonadas pela atual gestão.

“A nossa preocupação é que várias obras deixadas pela gestão anterior, que estavam aceleradas, agora caminham em ritmo lento, e algumas foram completamente paralisadas.

Desse jeito fica difícil viabilizar recursos junto ao governo federal”, argumentou Paulo Roberto.

O vereador do PTB também citou o problema do transporte público no Residencial Deus Quer.

De acordo com ele, a população tem reclamado do número reduzido de ônibus que fazem percurso até o local.

Segundo Paulo Roberto, o superintendente municipal de Transportes e Trânsito, Carlos Daniel Júnior, comprometeu-se a solucionar a questão.

No entanto, é preciso que a Superintendência de Desenvolvimento Urbano da zona Sudeste providencie a terraplanagem de um trecho de 240 metros, que liga o Deus Quer ao Recanto dos Pássaros.

“Essa intervenção já deveria ter sido feita, pois a Strans aguarda apenas essa obra para modificar a linha da região, o que deve beneficiar cerca de 500 famílias.

Mas parece que a SDU Sudeste está inerte e ignora o clamor da população”, afirmou o vereador.

Em seu pronunciamento, Paulo Roberto ainda lembrou do atraso na construção da nova ponte que ligará as zonas Sul e Sudeste, pelas avenidas Gil Martins e Francisco de Almeida Neto”O problema teve início ainda no edital, que apresentou uma falha.

Por conta disso, apenas uma empresa participou da licitação, e hoje esta empresa está tendo dificuldades para tocar a obra.

Como consequência, ela deve pedir aditivos, e nós sabemos que é através desses aditivos que ocorre a corrupção”, lamentou Paulo Roberto.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Câmara Municipal de TeresinaFoto: Divulgação