Trabalhistas homenageiam o ex-presidente Getúlio Vargas

PTB Notícias 25/08/2015, 16:59


O Congresso Nacional realizou sessão solene nesta terça-feira (25/8/2015) para homenagear o ex-presidente Getúlio Vargas e lembrar os 61 anos de sua morte.

O legado de Vargas na área dos direitos trabalhistas e a criação do Partido Trabalhista Brasileiro foram lembrados em discursos no plenário do Senado Federal pela presidente nacional do PTB, deputada Cristiane Brasil (RJ), pelos senadores Fernando Collor (AL) e Elmano Férrer (PI), pelo deputado Paes Landim (PI) e por outros convidados da sessão.

Na qualidade de presidente nacional da legenda fundada há 70 anos pelo homenageado, a deputada Cristiane Brasil destacou que mesmo transcorridas muitas décadas após a morte de Getúlio Vargas, o passar dos anos não foi capaz de ofuscar o fascínio duradouro do carisma do ex-presidente, assim como da sua herança e o exemplo que deixou para brasileiros de todas as idades e regiões, de todos os credos, cores e classes.

“Sua vida e seu autossacrifício no altar da pátria chancelam o permanente compromisso do trabalhismo de Vargas com a promoção e a defesa do trabalho como expressão maior da dignidade da pessoa humana na sociedade, fonte autêntica da riqueza material e do progresso espiritual da nação.

Para Dr.

Getúlio, assegurar a participação, nos frutos desse progresso e dessa riqueza, de quem os produz era condição primordial de justiça.

O itinerário que ele concebeu para concretizar esse grande objetivo nacional foi e continua sendo o do reformismo pacífico e democrático, um caminho do meio, uma terceira via, distante dos extremos do fundamentalismo ultraliberal, de um lado, e do despotismo coletivista, do outro”, destacou a presidente do PTB.

No seu pronunciamento, Cristiane Brasil creditou à coragem, à lucidez, ao arraigado senso de responsabilidade e amor à pátria o fato de o ex-presidente Getúlio Vargas nunca ter vacilado frente aos obstáculos surgidos em seu caminho.

Para a líder trabalhista, o exemplo de Vargas devia servir de norte para a juventude brasileira dos dias atuais.

“Neste momento extremamente difícil da vida nacional, em que os jovens se veem tão carentes de modelos éticos para a vida pública e também para a sua conduta nas esferas acadêmica, profissional, familiar – enfim, no mundo da rua e no mundo da casa –, a sociedade pode extrair alento e colher esperança na figura do estadista que uniu coragem, lucidez e um arraigado senso de responsabilidade histórica.

E de amor à pátria”, disse.

Ao falar sobre o PTB, partido criado por Getúlio Vargas há 70 anos, Cristiane Brasil afirmou que a agremiação segue em frente, na luta pelas reformas de que o país precisa não apenas para resgatar velhas dívidas sociais, mas também para vencer os novos desafios da economia do conhecimento e da sociedade da informação.

Para a presidente, a honrosa missão de preservar e atualizar os compromissos do trabalhismo de Getúlio Vargas cobra de cada militante do PTB fidelidade a princípios e valores permanentes e coragem para mudar, ainda mais diante de uma das mais graves crises econômicas, políticas, sociais e éticas da história republicana.

“Se nós, trabalhistas, assim como os representantes de todos os demais segmentos do espectro político-partidário, não tivermos a seriedade, a franqueza e a brasilidade indispensáveis para escutar a voz das ruas e compreender o grito do povo, entender o que a população está esperando e querendo de seus representantes, seremos impotentes para reverter a desconfiança, o desprezo e a indignação generalizados em relação às instituições políticas e aos homens e mulheres eleitos para fazê-las funcionar em favor do bem comum.

Que a memória de Getúlio Vargas, o estadista da coragem, da lucidez, da responsabilidade histórica e do amor à pátria, uma vez mais, nos inspire a romper amarras e a fazer o que tiver de ser feito pela redenção do Brasil”, concluiu.

A sessão que lembrou os 61 anos da morte de Getúlio Vargas contou com a presença do ministro do Trabalho, Manoel Dias, do presidente do Instituto João Goulart, João Vicente Goulart, entre outras autoridades.

A homenagem do Congresso Nacional aconteceu a pedido dos senador Elmano Férrer, do deputado Paes Landim e também pelo senador Telmário Mota (PDT-RR).

O presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), também falou sobre a defesa da soberania nacional, da liberdade e da democracia que marcaram os governos de Vargas.

Em seu discurso, Elmano Férrer destacou o papel de Getúlio Vargas na melhoria das condições de vida dos trabalhadores.

O senador relatou ainda conquistas como a carteira de trabalho, as férias e o descanso semanal remunerados, a jornada de oito horas diárias, além da criação do Ministério do Trabalho e da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

“Todas essas iniciativas e outras mais, funcionavam como instrumentos para equilibrar as relações trabalhistas e evitar os abusos patronais.

Por tudo isso, ouso dizer que nenhum presidente antes ou depois de Getúlio fez mais pelo trabalhador brasileiro”, afirmou Elmano.

O líder do PTB no Senado, Fernando Collor, neto do primeiro ministro do Trabalho de Getúlio, Lindolfo Collor, lembrou a luta do líder trabalhista pelos direitos sociais.

E enumerou conquistas como o direito à justa causa para demissão e à sindicalização.

Collor criticou as tentativas de desregulamentação e redução de direitos dos trabalhadores como forma de estimular o crescimento da economia.

“Acreditam que a desregulamentação, a precarização, o aviltamento dos direitos sociais dos trabalhadores é condição necessária para alavancar a competitividade do Brasil no mercado internacional.

Iludem-se os que acreditam que é possível construir uma sociedade justa sem justiça social”, afirmou.

Ao falar na sessão, o deputado Paes Landim realçou a figura “modernizante e pragmática” encarnada pelo presidente Vargas.

Agência Trabalhista de Notícias (ELM e FM) e com informações da Agência SenadoFotos: Geraldo Magela/Agência Senado; Luiz Alves/Câmara dos Deputados