Trem do Forró do Cabo de Santo Agostinho promove diversão segura

PTB Notícias 20/06/2007, 10:18


Com a mensagem “É forró, é xote, baião e São João, tenha sempre a camisinha na mão”, a Prefeitura do Município do Cabo de Santo Agostinho – administrada pelo petebista Lula Cabral – por intermédio da Coordenação Municipal de Doenças Sexualmente Transmissíveis DST/AIDS da Secretaria Executiva de Saúde, lançou mais uma campanha de prevenção nas festas juninas.

Trata-se de uma estratégia de comunicação de massa, aproveitando uma das mais importantes festas populares do Nordeste que é o nosso São João.

Nos dias de passeio no Trem do Forró, uma maciça distribuição de camisinhas é uma forma de alertar os passageiros de que é importante lembrar o uso do preservativo na hora da relação sexual.

A distribuição é feita sempre com mensagens criativas utilizando-se de recursos lúdicos que despertam a atenção dos visitantes.

Os personagens de teatro vestidos à caráter divertem e educam ao mesmo tempo.

Com quatro anos de existência na cidade – já se vão dois em parceria com a Secretaria de Saúde – o grupo de teatro Gruparte trabalha apoiando ações do Governo para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos em qualquer época do ano.

Além de distribuições de camisinhas e panfletos explicativos, o grupo realizou uma campanha chamada mestres-cuca, onde os atores visitavam os restaurantes, lanchonetes e barraquinhas em época de carnaval para ensinar aos foliões a forma mais saudável de se alimentar.

Para o São João deste ano, a campanha visa promover o uso do preservativo nas relações sexuais, tendo como personagens “o Companheiro e a Companheira da prevenção”, onde um casal recepciona os forrozeiros na chegada do trem do forró.

Serão distribuídos cerca de quatro mil preservativos e panfletos para o público.

A distribuição e apresentação dos personagens começaram desde o dia 16 e vai até o dia 30 do junho, último dia de chegada do trem do forró na cidade.

“Nossa preocupação é de fazer o folião, independente da época do ano, curtir a festa sem se preocupar com perigos futuros que podem causar o não uso da camisinha”, explica Lúcia Cristina, Coordenadora Municipal de Doenças Sexualmente Transmissíveis DST/AIDS.

“Os danos podem ser revertidos e é nossa obrigação e dever tentar prevenir essa situação”, finaliza.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações da Prefeitura de Cabo de Santo Agostinho)