Vera Castelo Branco elogia Assembleia Itinerante realizada em Tabatinga

PTB Notícias 29/09/2011, 13:42


Para a deputada estadual Vera Castelo Branco (PTB- AM), a Assembleia Itinerante realizada no município de Tabatinga (a 1.

105 quilômetros de Manaus ), na Região do Alto Solimões, foi perfeita.

Segundo ela, se alguma coisa tiver que ser melhorada, então “que sejam apenas alguns detalhes porque, de todas as assembléias itinerantes já realizadas, essa foi a melhor já realizada”, disse ela.

Vera afirmou que nessas reuniões de deputados em municípios mais distantes, como Tabatinga, há uma oportunidade melhor de conhecimento de todos os problemas que serão discutidos.

“Fica mais fácil para todos discutirem soluções para algumas demandas”, ressaltou a parlamentar, que foi uma das mais votadas na Região do Alto Solimões.

Para Vera Castelo Branco, por exemplo, a nomenclatura utilizada para a elaboração de uma carta dos deputados ao Governo do Estado, chamada de Carta de Intenções, deveria ser chamada de Carta de Posicionamento, “uma vez que os deputados foram em Tabatinga, viram de perto os problemas e estão solicitando soluções”.

Na opinião dela, o papel que cada parlamentar representou nessa reunião deve ser avaliado com bastante respeito, porque cada um trabalhou bastante, desde o momento em que colocou os pés em Tabatinga.

“Na volta, vi nos rostos dos deputados a satisfação do dever cumprido”, disse ela, não sem antes pedir à Secretaria de Estado da Educação (Seduc) que tome providencias urgentes em relação à liberação das verbas para a educação indígenas.

“O dinheiro está em Manaus faz dois anos, mas o secretário Gedeão Amorim não toma providencias.

Cinco escolas do Alto Solimões estão necessitando dessa verba, mas o secretário não a libera e fica num jogo de “empurra-empura” sem que os recursos cheguem às mãos dos indígenas”, disse Vera.

Vera Castelo Branco pediu também que o secretário de Saúde, Wilson Alecrim, tome as medidas necessárias para acabar com a epidemia de malária que tomou conta do Alto Solimões, atingindo moradores da sede dos municípios e, principalmente, as comunidades do rio Javari.

Agência Trabalhista de Notícias (PB), com informações da Assembleia Legislativa do Estado do Amazônas