Vera Castelo Branco mostra preocupação com cheia do rio Negro (AM)

PTB Notícias 24/05/2013, 6:21


A exemplo de anos anteriores a cheia dos rios volta a preocupar a população amazonense, tanto da capital como do interior do estado.

Ano passado (2012) a cota máxima chegou a 29,97 cm, a maior da história e, este ano (2013), num primeiro alerta de cheia, na terça-feira (21/5/2013), a Agência Nacional de Águas (ANA) divulgou uma cota de 28,95 cm no nível das águas do rio Negro, voltando a preocupar as autoridades, principalmente em relação à população que mora nas áreas baixas da cidade.

Para a deputada estadual Vera Castelo Branco (PTB), essa situação que envolve diretamente a população, principalmente as mais carentes, já deveria ter por parte dos governos um plano de ação tanto para monitorar como intervir nas principais áreas de riscos, pois nos últimos anos esse problema ocorre com as mesmas consequências e pouco se tem feito, não para evitar, pois é um problema da natureza e imprevisível, mas para amenizar.

A deputada afirmou que o governo, mesmo assim, tem feito sua parte e alguns municípios se preparam e antecipam medidas para evitar que o pior aconteça.

O governo, por meio da Defesa Civil, tem distribuído madeira para a construção pontes, elevação de assoalhos e marombas, além de produtos de primeira necessidade como alimentos, remédios e higiene pessoal para a população, mas isso não tem sido suficiente.

Segundo Vera, essa é uma situação séria e que preocupa a todos, pois os problemas começam com o início da alta das águas e com sua descida, citando como exemplo, as rodovias de acesso aos municípios (Careiro e Autazes) que em grande parte ficam submersas e com a baixa apresentam todo tipo de destruição como deslocamento de bueiros e boa parte dos trechos são levados pelo avanço das águas inviabilizando o tráfego de veículos e pessoas.

Ano passado, disse Vera Castelo Branco, esses problemas citados aconteceram nas estradas desses dois municípios e pouca coisa foi feito para recuperá-las.

As águas voltaram a subir esse ano e a situação continua a mesma.

“As estradas não foram recuperadas e vão ficar pior quando as águas começarem a descer”, alertou a deputada.

“O pior de tudo isso é a questão envolvendo as doenças que aparecem com a contaminação das águas em locais infestados por ratos como a leptospirose e, também, em relação aos alimentos que devem ser comercializados com o mínimo de risco possível de contaminação”, sinalizou a deputada.

Vera Castelo Branco concluiu que é necessário uma atuação com mais ênfase, pois nas áreas mais afetadas como no rio Solimões muitas famílias voltaram a ficar fora de suas residências com a alagação e o mais grave com a perda de suas plantações e animais, dos quais muitos dependem para sobrevivência.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações da assessoria da deputada Vera Castelo Branco (PTB-AM)