Vereador Elizandro Sabino ressalta Primeira Semana de Incentivo a Adoção

PTB Notícias 29/05/2015, 10:20


O Vereador Elizandro Sabino (PTB), lembrou a todos que, pela primeira vez, Porto Alegre vive, no mês de maio, a Semana Municipal de Adoção.

Autor da lei, ele justifica que a data ajuda a incentivar a iniciativa.

“Até hoje, muitos são os empecilhos para que isto se realize.

O preconceito de cor é uma realidade, bem como as restrições em relação à idade das crianças.

Devemos conseguir superar tudo isto”, propôs.

Apenas uma juíza cuida de todos os processos de adoções de crianças na CapitalApenas uma juíza é responsável pelos processos de adoção de crianças e adolescentes em Porto Alegre, o que faz com que os processos levem anos em tramitação.

Foi com estas palavras que a promotora de Justiça Cinara Vianna Dutra Praga iniciou sua fala, na tarde desta quinta-feira (28/5), nas Comunicações Temáticas da Câmara Municipal.

A promotora destacou que no ano de 2015 houve dez adoções na Capital, no entanto, este número poderia ser maior se o processo fosse menos burocrático e demorado.

A Câmara realizou nesta quinta as Comunicações Temáticas para destacar a Semana Municipal de Incentivo à Adoção de Crianças e Adolescentes.

Cinara disse que cabe Ministério Público fazer a fiscalização das casas de passagem para crianças em processo de adoção.

“São 110 casas na Capital que acolhem, hoje, mais de mil crianças”, disse.

Ela disse que o quadro atual de adoção demonstra que estas casas não estão preparadas para atender às necessidades das crianças e dos adolescentes por causa da estrutura precária e da falta de qualificação dos profissionais.

“Temos 59 sindicâncias que apuram denúncias de maus tratos nestas casas e isto é muito grave”, disse.

A promotora ressaltou que os adolescentes e as crianças, infelizmente, estão negligenciadas dentro das casas-lares e a precariedade dos poderes Executivo e Judiciário é um fator agravante para esta situação.

Cinara destacou que é preciso uma união cadastral de todas as crianças e adolescentes do Brasil para que a adoção não se restrinja apenas às cidades e aos estados em que elas estão e concluiu sua fala dizendo que acredita que deve haver uma movimentação de toda a sociedade gaúcha para atender à demanda das adoções, “pois estes pequenos seres humanos somente possuem os nossos ouvidos para que os seus pedidos sejam escutados”.

Clínica de Amparo à Criança O coordenador da Clínica de Amparo à Criança, Cleber Victorino, agradeceu a homenagem feita pela Casa e ressaltou que a clínica é uma entidade sem fins lucrativos, que ampara qualquer criança, “seja ela sadia ou não, para que possam ter, um dia, onde morar”.

A clínica foi criada em 1997 e, desde a sua fundação, algumas adoções foram realizadas.

Desde 2008, foram 45 crianças que conseguiram um lar para viver.

Victorino destacou que, atualmente, a entidade abriga 41 crianças, algumas com deficiências físicas ou mentais e também algumas que sofreram abusos.

“A dificuldade de adoção em Porto Alegre, infelizmente, é expressiva, pois a mentalidade dos pais que querem adotar corresponde a uma cultura da perfeição, mas, a realidade não é esta”, afirmou.

Para Cleber, a atual cultura da adoção exclui crianças com HIV positivo e também aquelas que já possuem mais de quatro anos.

“No entanto, as crianças com mais de quatro anos, por exemplo, podem, sim, ser reeducadas por seus pais adotivos”, disse.

O coordenador destacou que as devoluções das adoções estão aumentando em 30% por motivos “fúteis” dos pais.

“Infelizmente vivemos em uma geração que, quem quer ter um filho, quer tê-lo rapidamente e do jeito que eles o almejam ser fisicamente e mentalmente”, ressaltou.

Prestigiaram ainda o evento: Rosi Prigol (Presidente do Instituto Amigos de Lucas), Dr.

Carlos Kremer (representando a OAB/RS) e Kênia Witeckoski (Assistente Social, representando o CMDCA).

Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações da assessoria do vereador Elizandro SabinoFoto: Assessoria/Divulgação