Vereador Marcos Crippa (SP): ‘Fica aqui o nosso repúdio para a CNEE’

PTB Notícias 9/11/2011, 7:28


Durante a 120ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Catanduva (SP), o vereador Marcos Crippa (PTB) repudiou o ofício enviado pelo presidente e vice-presidente da Companhia Nacional de Energia Elétrica aos vereadores, sugerindo para que a Casa retirasse da pauta ou rejeitasse o PL nº 143/2011.

Na última sessão, Marcos Crippa, usou a Tribuna Carlos Machado para divulgar que havia recebido um comunicado da Companhia Nacional de Energia Elétrica, sugerindo a retirada do Projeto de Lei de sua autoria, em que os empreendedores de loteamentos não seriam mais obrigados a doar toda a rede de energia elétrica de seus loteamentos a CNEE e receberiam da companhia o valor integral gasto com o projeto de eletrificação desses loteamentos comerciais ou residenciais.

No PL nº 143/2011 Crippa também citou que assim que o empreendedor faz a doação, e os bens são incorporados ao patrimônio da Companhia, ela se utiliza da maneira que melhor lhe agradar, e se não bastasse o recebimento dos equipamentos, ela ainda cobra mais uma contribuição, ela tira dos proprietários proveito também de rendimentos por sua utilização, através da cobrança das contas de energia dos consumidores, da CIP (Contribuição de Iluminação Pública).

Na Sessão o parlamentar explica, que se este projeto fosse tão inconstitucional, a Companhia Nacional de Energia Elétrica não estaria preocupada em barrar o projeto já na Casa.

“O que nos chamou a atenção foram as justificativas que eles explanaram através do ofício tentando convencer esta Casa da inconstitucionalidade do Projeto , mas não nos convenceu.

Se esse projeto não tivesse tanta relevância ou tanta importância , era óbvio que a companhia não estaria preocupada com isso, ela deixaria esse projeto ser aprovado pela Casa, o prefeito vetando ou não vetando, nós não sabemos qual é o posicionamento do Executivo, e posteriormente chegando ao Tribunal de Justiça, se eles tem tanta certeza da inconstitucionalidade dessa lei que deixariam que o Tribunal julgasse , que ela é inconstitucional.

Então, por que eles querem matar o projeto aqui na Câmara?” Com relação ao Conjunto Habitacional Catanduva –M , Pachá II, com 642 casas , cuja a rede de distribuição de energia a Companhia Nacional de Energia Elétrica alega ter sido construída por ela, Crippa diz: “Não fizeram mais que a obrigação.

A companhia tem verba para isso , para fazer essas obras sociais e tem muitas outras obras sociais que eles tinham por obrigação fazê-las, inclusive a Vila São Vicente de Paulo , presidida pelo nosso vereador Careca e outras instituições da nossa cidade .

Eles tem obrigação de fazer o cunho social .

” A respeito do ofício enviado para Marcos Crippa e todos os demais vereadores da Casa Legislativa, o petebista completa.

“Na última sessão nós recebemos um ofício da Companhia Nacional de Energia Elétrica , em nome do presidente da companhia Jorge Queiroz de Morais Jr , e do vice-presidente Arlindo Antonio Napolitano , de uma forma autoritária , repudiando o Projeto de Lei que nós protocolamos nesta Casa.

Então eu quero fazer uma proposta para eles , peço que no mínimo a Companhia Nacional de Energia Elétrica equipare o salário de seus funcionários com o da CPFL , que o inicial da CNEE é 980+ 30% de periculosidade , da CPFL é 1200 e mais 30%, que dá uma diferença salarial de 22.

5 %.

Equipara o salário para eles para depois querer começar a abrir uma discussão com essa Casa , eles deveriam pelo menos pagar melhor os seus funcionários .

” Crippa classifica o ofício como uma forma de intimidação para tentar pressionar a Casa de Leis.

” Mas eu não vou ceder.

Eu não acho justo abrir um loteamento na cidade , o loteador fazer toda a rede de energia elétrica , posteriormente vende esses lotes, esse custo está incorporado no preço, a pessoa está pagando por isso e posteriormente faz-se a doação para a CNEE e depois ela passa ainda a explorar a energia mensal, olha como é fácil.

É muito fácil e cômodo só arrecadar, arrecadar, arrecadar, arrecadar e arrecadar”.

O vereador acrescenta que esses fatos que chegam todos os dias na Casa, poderiam se concretizar e melhorar a qualidade não só do atendimento, como também melhorar a vida dos trabalhadores da companhia, mas que em vez disso vem a empresa tentando mandar na Câmara Municipal.

“Vem esse Dr.

Jorge ou esse outro aqui, senhor Arlindo Antonio Napolitano, (o vice-presidente) querendo fazer ingerência aqui dentro, mandar um documento para essa Casa rejeitar o projeto ou tirar da pauta.

Como eles mandam em Bragança Paulista aqui eles devem ter pensado: “AH , Catanduva é só mandar um papel para lá e vão nos atender.

É uma vergonha, então fica aqui o nosso repúdio para CNEE.

” Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do Portal da Câmara Municipal de Catanduva