Vereador Victor Cunha cobra explicações sobre Passe Fácil, em Belém (PA)

PTB Notícias 23/03/2015, 16:11


Primeiro-secretário da Câmara Municipal de Belém (PA), o vereador Victor Cunha (PTB) cobrou, na quarta-feira (18/3/2015), explicações do prefeito Zenaldo Coutinho (PSDB) sobre o Passe Fácil relativo aos trabalhadores.

O petebista criticou diretamente a direção do sindicato das empresas de transporte.

“Hoje, existe um grupo que está monopolizando o transporte de passageiros no município.

Esse grupo está interferindo num setor financeiro da prefeitura.

Ninguém pode reter o dinheiro relativo ao vale-transporte do trabalhador.

Ninguém tem direito de intervir no uso do Passe Fácil, pois é um direito do trabalhador”, afirmou Cunha.

O vereador justifica que o dinheiro pago pelo Passe Fácil não é da prefeitura, mas do trabalhador.

“O prefeito deveria colocar uma pessoa com formação técnica na direção da Semob [Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém].

O cargo precisa de alguém que entenda do assunto.

Não podemos admitir que a presidenta Maisa Tobias diga que o dinheiro do Passe Fácil é da prefeitura.

Isso não é verdade.

“”O dinheiro pago pelo Passe Fácil é fruto do suor do trabalhador e não perde validade.

Ou a prefeitura devolve parte do dinheiro arrecadado ou presta conta do que foi feito com o dinheiro.

Há oito anos que não há prestação de contas desse dinheiro”, criticou o primeiro-secretário da Câmara de Belém.

O trabalhador recolhe 6% do salário mínimo para adquirir o Passe Fácil.

Mas o problema é que nem todos os trabalhadores gastam os vales comprados.

Imagine uma empresa que compre vales para 100 passagens num mês.

O que acontece se o trabalhador eventualmente só usar 60 passagens naquele mês? Hoje, perde 40 passagens.

O dinheiro volta para os cofres do sindicato das empresas.

“Isso acontece com a conivência da presidente da Semob, Maisa Tobias”, disse Victor.

O vereador do PTB cobrou do prefeito Zenaldo Coutinho providências contra o monopólio no setor de transporte de passageiros e também contra a presidente da Semob, que, de acordo com o parlamentar, estaria conivente com o que está acontecendo.

“Isso só vai acabar quando a prefeitura resolver prestar contas a este plenário dos atos da gestão pública a esta Casa”, concluiu Victor Cunha.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Câmara Municipal de BelémFoto: Divulgação/Câmara Municipal de Belém