Vereadora Elaine Matozinhos defende direitos para portadores de epilepsia

PTB Notícias 1/06/2011, 14:57


Convulsões, espasmos musculares e até perda de consciência.

Sintomas de um transtorno cerebral que causa à epilepsia, doença ainda hoje cercada de preconceito e falta de informação.

A necessidade de políticas públicas voltadas para atendimento e tratamento desses pacientes está em pauta hoje (01/06).

A audiência pública da Comissão de Saúde e Saneamento teve início às 13h30, no Plenário Helvécio Arantes.

Segundo a vereadora Elaine Matozinhos (PTB-MG), que solicitou a audiência, os pacientes também têm enfrentado a falta de medicamentos específicos para o tratamento da doença em postos de saúde do Município.

Outro problema seria uma portaria recente publicada pelo Ministério da Saúde que restringe a realização de cirurgias relacionadas ao tratamento de epilepsia aos hospitais-escola, deixando de fora outros centros médicos, como o Felício Rocho, que vinha realizando essas operações.

Para os portadores da doença, do ponto de vista da saúde pública, o preconceito é o maior problema associado à epilepsia.

Também pela falta de informação, muitos pacientes chegam a ter dificuldades nos relacionamentos, no ambiente escolar e no mundo do trabalho.

Foram convidados para o debate o secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques; o secretário municipal de Governo, Josué Costa Valadão; o secretário municipal de Saúde, Marcelo Gouvêa Teixeira; o diretor-geral da Santa Casa de Misericórdia, Porfírio Marcos Andrade Rocha; o diretor-geral do Hospital das Clínicas, Antônio Luiz Pinho Ribeiro; a presidente do Conselho Deliberativo da Associação Mineira de Epilepsia, Maria Carolina Doretto; e o médico do Hospital Felício Rocho, José Maurício Siqueira.

Agência Trabalhista de Notícias (PB), com informações da Assembleia Legislativa de Belo Horizonte